Fim da era do carvão está à vista, diz Alok Sharma

O carvão é a principal fonte de energia de diversos países e um dos desafios do aquecimento global; anúncio na COP26 busca transição de energia limpa e justa
 (AFP/AFP)
(AFP/AFP)
M
Marina Filippe

Publicado em 04/11/2021 às 10:49.

Última atualização em 05/11/2021 às 12:28.

*De Glasgow, na Escócia

O uso de carvão como fonte de energia é uma das grandes questões para a redução das emissões de gases de efeito estufa. Para mudar esse cenário, 77 países se comprometeram, nesta quinta-feira, 4, a gradativamente abandonar o uso do carvão, o anúncio foi feito durante a COP26, que acontece em Glasgow, na Escócia.

Conheça o mais completo curso de formação executiva sobre ESG no Brasil.

"Hoje acho que posso dizer que o fim da era do carvão está à vista", disse Sharma Alok Sharma, presidente britânico da COP26.

Pelo menos 23 nações fizeram novos compromissos para eliminar a energia do carvão, incluindo Indonésia, Vietnã, Polônia, Coréia do Sul, Egito, Espanha, Nepal, Cingapura, Chile e Ucrânia. Em uma nova Declaração de Transição do Carvão Global para Energia Limpa, os países também se comprometem a aumentar a energia limpa e a garantir uma conexão justa do carvão.  

"60% do nossa energia hoje é proveniente do carvão e precisamos colocar esforços em infraestrutura que nos permita reduzir as emissões. Essa mitigação é indispensável para um futuro sustentável", disse Arifin Tasrif, ministro da energia da Indonésia.

Além disso, um grupo de 25 países, incluindo os parceiros da COP26 Itália, Canadá, Estados Unidos e Dinamarca, juntamente com instituições públicas, assinaram uma declaração liderada pelo Reino Unido, se comprometendo a encerrar o apoio público internacional para o setor de energia de combustível fóssil inabalável até o final de 2022 e, em vez disso, priorizando o apoio à transição para energia limpa. 

Coletivamente, isso poderia deslocar cerca de 17,8 bilhões de dólares por ano em apoio público de fósseis para a transferência de energia limpa. Os países em desenvolvimento, incluindo a Etiópia, Fiji e as Ilhas Marshall ofereceram seu apoio, sinalizando uma unidade crescente. Esta é uma agenda inclusiva que deve reconhecer como necessidade de desenvolvimento e energia de todas as economias.

Em anúncios separados, as principais economias emergentes hoje tomaram medidas relevantes para passar do carvão à energia limpa. Índia, Indonésia, Filipinas e África do Sul anunciaram parcerias com os Fundos de Investimento do Clima para acelerar suas transições para longe da energia do carvão, apoiadas por uma instalação dedicada de 2 bilhões de dólares. 

A Indonésia e as Filipinas anunciaram parcerias pioneiras com o Banco Asiático de Desenvolvimento para apoiar a aposentadoria antecipada de usinas de carvão. Isso ocorreu após o acordo inovador de 8,5 bilhões de dólares para apoiar uma transição justa da África do Sul para a energia limpa, anunciada na Cúpula de Líderes Mundiais na terça-feira.

Transição justa

Os acordos tem sido marcados pelo discurso de transição justa de recursos, favorecendo quem de fato precisa e considerando oportunidade de emprego, de melhorias nas comunidades e mais.

A economista e presidente da European Climate Foundation (ECF), Laurence Tubiana, apontou que é preciso estar atento ao caminho a ser seguido no plano anunciado. "Justiça e finanças são pilares dessa transição. Precisamos de investimentos e tecnologias focados nos trabalhadores locais, e nas comunidades que dependem do carvão", disse na COP26.

Exame na COP

A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC) é um tratado internacional com o objetivo de estabilizar as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera.

Uma das principais tarefas da COP é revisar as comunicações nacionais e os inventários de emissões apresentados por todos os países membros e, com base nessas informações, avaliar os progressos feitos e as medidas a serem tomadas.

Para além disto, líderes empresariais, sociedade civil e mais, se unem para discutir suas participações no tema. Neste cenário, a EXAME atua como parceira oficial da Rede Brasil do Pacto Global, da Organização das Nações Unidas.