Negócios

Fim da era do carvão está à vista, diz Alok Sharma

O carvão é a principal fonte de energia de diversos países e um dos desafios do aquecimento global; anúncio na COP26 busca transição de energia limpa e justa

O presidente da COP26, Alok Sharma: Países anunciam acordo que prevê fim gradual do uso de carvão com motor de energia (AFP/AFP)

O presidente da COP26, Alok Sharma: Países anunciam acordo que prevê fim gradual do uso de carvão com motor de energia (AFP/AFP)

Marina Filippe

Marina Filippe

Publicado em 4 de novembro de 2021 às 10h49.

Última atualização em 5 de novembro de 2021 às 12h28.

*De Glasgow, na Escócia

O uso de carvão como fonte de energia é uma das grandes questões para a redução das emissões de gases de efeito estufa. Para mudar esse cenário, 77 países se comprometeram, nesta quinta-feira, 4, a gradativamente abandonar o uso do carvão, o anúncio foi feito durante a COP26, que acontece em Glasgow, na Escócia.

Conheça o mais completo curso de formação executiva sobre ESG no Brasil.

"Hoje acho que posso dizer que o fim da era do carvão está à vista", disse Sharma Alok Sharma, presidente britânico da COP26.

Pelo menos 23 nações fizeram novos compromissos para eliminar a energia do carvão, incluindo Indonésia, Vietnã, Polônia, Coréia do Sul, Egito, Espanha, Nepal, Cingapura, Chile e Ucrânia. Em uma nova Declaração de Transição do Carvão Global para Energia Limpa, os países também se comprometem a aumentar a energia limpa e a garantir uma conexão justa do carvão.  

"60% do nossa energia hoje é proveniente do carvão e precisamos colocar esforços em infraestrutura que nos permita reduzir as emissões. Essa mitigação é indispensável para um futuro sustentável", disse Arifin Tasrif, ministro da energia da Indonésia.

Além disso, um grupo de 25 países, incluindo os parceiros da COP26 Itália, Canadá, Estados Unidos e Dinamarca, juntamente com instituições públicas, assinaram uma declaração liderada pelo Reino Unido, se comprometendo a encerrar o apoio público internacional para o setor de energia de combustível fóssil inabalável até o final de 2022 e, em vez disso, priorizando o apoio à transição para energia limpa. 

Coletivamente, isso poderia deslocar cerca de 17,8 bilhões de dólares por ano em apoio público de fósseis para a transferência de energia limpa. Os países em desenvolvimento, incluindo a Etiópia, Fiji e as Ilhas Marshall ofereceram seu apoio, sinalizando uma unidade crescente. Esta é uma agenda inclusiva que deve reconhecer como necessidade de desenvolvimento e energia de todas as economias.

Em anúncios separados, as principais economias emergentes hoje tomaram medidas relevantes para passar do carvão à energia limpa. Índia, Indonésia, Filipinas e África do Sul anunciaram parcerias com os Fundos de Investimento do Clima para acelerar suas transições para longe da energia do carvão, apoiadas por uma instalação dedicada de 2 bilhões de dólares. 

A Indonésia e as Filipinas anunciaram parcerias pioneiras com o Banco Asiático de Desenvolvimento para apoiar a aposentadoria antecipada de usinas de carvão. Isso ocorreu após o acordo inovador de 8,5 bilhões de dólares para apoiar uma transição justa da África do Sul para a energia limpa, anunciada na Cúpula de Líderes Mundiais na terça-feira.

Transição justa

Os acordos tem sido marcados pelo discurso de transição justa de recursos, favorecendo quem de fato precisa e considerando oportunidade de emprego, de melhorias nas comunidades e mais.

A economista e presidente da European Climate Foundation (ECF), Laurence Tubiana, apontou que é preciso estar atento ao caminho a ser seguido no plano anunciado. "Justiça e finanças são pilares dessa transição. Precisamos de investimentos e tecnologias focados nos trabalhadores locais, e nas comunidades que dependem do carvão", disse na COP26.

Exame na COP

A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC) é um tratado internacional com o objetivo de estabilizar as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera.

Uma das principais tarefas da COP é revisar as comunicações nacionais e os inventários de emissões apresentados por todos os países membros e, com base nessas informações, avaliar os progressos feitos e as medidas a serem tomadas.

Para além disto, líderes empresariais, sociedade civil e mais, se unem para discutir suas participações no tema. Neste cenário, a EXAME atua como parceira oficial da Rede Brasil do Pacto Global, da Organização das Nações Unidas.

Acompanhe tudo sobre:CarvãoCOP26EnergiaExame na COP26EXAME-no-Instagram

Mais de Negócios

40 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Ele cansou de trabalhar em telecom. Agora, faz mais de R$ 1 mi com franquia de serviços automotivos

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Mais na Exame