Negócios

Bilionário sem rosto: quem é o fundador da Shein, desconhecido até pelos funcionários

Xu Yangtian, fundador da Shein, adota postura discreta enquanto a empresa de moda rápida busca levantar 50 bilhões de libras com IPO

CEO e fundador da Shein nunca apareceu publicamente e evita exposição até para os funcionários. (Monika Skolimowska/picture alliance /Getty Images)

CEO e fundador da Shein nunca apareceu publicamente e evita exposição até para os funcionários. (Monika Skolimowska/picture alliance /Getty Images)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 17 de junho de 2024 às 10h16.

Última atualização em 17 de junho de 2024 às 13h43.

Tudo sobreShein
Saiba mais

Xu Yangtian, fundador da Shein, uma popular plataforma de fast-fashion chinesa, tem se mantido fora dos holofotes deliberadamente, de acordo com fontes, enquanto a empresa se prepara para um IPO (Oferta Pública Inicial) em Londres, com a meta de levantar R$ 312 bilhões (US$ 64 bilhões).

Embora seja comum entre empresários chineses de tecnologia manter um perfil discreto, a extensão das medidas tomadas por Xu para evitar a publicidade pessoal é notável. As informações são do South China Morning Post.

A Shein nunca publicou fotos de Xu, que também é conhecido como Sky Xu ou Chris Xu. Ele também nunca fez discursos públicos, mesmo durante o período de ascensão da marca.

Liderança discreta

De acordo com várias pessoas que trabalharam com Xu, o bilionário chinês prefere se manter longe dos holofotes devido a sua personalidade e à crença de que qualquer atenção indesejada poderia aumentar o escrutínio sobre a Shein. Liu Mingguang, consultor de cadeia de suprimentos da Shein entre 2015 e 2021, descreveu Xu como "ordinário, quieto e humilde", mas também destacou sua capacidade de aprendizado rápido.

Nos primeiros dias da Shein, Xu e Henry Ren Xiaoqing, chefe de gerenciamento da cadeia de suprimentos da empresa, consultaram Liu para obter conselhos sobre como adquirir roupas de atacadistas chineses para vender no exterior e usar software para gerenciar um grande número de pedidos. Xu, segundo Liu, ouvia atentamente e iniciava discussões somente após o término do treinamento.

Vários ex-funcionários e funcionários atuais da Shein afirmam que Xu, magro e de óculos, muitas vezes passa despercebido no escritório. Como é comum na indústria de tecnologia chinesa, os funcionários da Shein gostam de compartilhar memes sobre seus chefes, mas, devido à ausência de fotos de Xu, esses memes são compostos apenas por texto.

Um consultor que trabalhou para Xu, que preferiu não se identificar para proteger suas relações comerciais, disse que o empreendedor valoriza mais a realização de tarefas do que a exposição pública. Ele acredita que se expor ao escrutínio não traz benefícios.

Apesar de seus esforços para manter o sigilo, a atenção pública sobre Xu, que supostamente obteve residência permanente em Singapura como parte dos esforços da Shein para suavizar sua ligação com a China, só aumentou. Não se sabe se Xu ainda possui passaporte chinês.

Empresa global

Donald Tang, presidente executivo da Shein, afirmou em uma conferência do Milken Institute em Los Angeles no mês passado que a empresa pode ser vista como chinesa, pois nasceu na China e ainda mantém muitos funcionários e fornecedores lá. No entanto, também pode ser considerada singapurense, por estar registrada em Singapura, e americana, devido ao fato de seu maior mercado ser os Estados Unidos e seguir valores americanos.

A postura discreta de Xu reflete uma estratégia cuidadosamente calculada para evitar complicações regulatórias e políticas que possam impactar os planos de crescimento da Shein. A empresa continua a expandir sua presença global enquanto navega pelas complexidades de operar entre várias jurisdições regulatórias e culturais.

Acompanhe tudo sobre:SheinChinaEstados Unidos (EUA)e-commerce

Mais de Negócios

De entregadores a donos de fábrica: irmãos faturam R$ 3 milhões com pão de queijo mineiro

Como um adolescente de 17 anos transformou um empréstimo de US$ 1 mil em uma franquia bilionária

Um acordo de R$ 110 milhões em Bauru: sócios da Ikatec compram participação em empresa de tecnologia

Por que uma rede de ursinho de pelúcia decidiu investir R$ 100 milhões num hotel temático em Gramado

Mais na Exame