Negócios

A receita do McDonald's para vender mais: simplificar o menu

Com cardápio inchado e lanches "impessoais", rede mais famosa de fast food do mundo quer voltar a crescer


	McDonald's : rede vai diminuir cardápio nos Estados Unidos
 (Paulo Pampolin / Hype)

McDonald's : rede vai diminuir cardápio nos Estados Unidos (Paulo Pampolin / Hype)

Daniela Barbosa

Daniela Barbosa

Publicado em 11 de dezembro de 2014 às 16h08.

São Paulo - Os números recentes de vendas do McDonald's não são nada animadores. Até novembro, a receita da companhia havia recuado 4,6% em todo o mundo na comparação com o mesmo período do ano anterior.

No mercado americano a situação é ainda pior e, desde outubro de 2013, a rede não cresce. Para reverter esse cenário, a companhia planeja reformular todo o seu menu a partir de agora por lá.

Em reunião com investidores nos Estados Unidos, executivos do McDonald's afirmaram que todos os ingredientes de todos os seus produtos serão reavaliados e as técnicas de produção dos lanches também. 

"Devemos e vamos ganhar com a nossa comida", afirmou Mike Andres, CEO da rede nos Estados Unidos, a investidores na última quarta-feira. 

A ideia da companhia é diminuir o número de ofertas e oferecer opções de personalização de lanches.

Recentemente, Don Thompson, presidente global do McDonald's, já havia sinalizado que os consumidores esperam da rede a possibilidade de personalizar seus pratos.

"Consumidores querem personalizar suas refeições com ingredientes relevantes no local. Eles querem aproveitar a comida em um ambiente contemporâneo e acolhedor. E eles querem escolhas; escolhas no que comem, como pedem e como são servidos”, disse o executivo.

No futuro, a ideia da rede é oferecer "culinária de inspiração", disse Andres.

Acompanhe tudo sobre:AlimentaçãoComércioEmpresasEmpresas americanasFast foodFaturamentoFranquiasMcDonald'sRestaurantes

Mais de Negócios

10 franquias baratas de limpeza para empreender a partir de R$ 27 mil

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Mais na Exame