Vazamento de óleo na China já cobre área do tamanho de Paris

Acidente com navio petroleiro do Irã é um dos maiores na história recente e levanta temores de danos ao ecossistema marinho

São Paulo - Onze dias após a explosão do petroleiro iraniano Sanchi, no Mar da China Oriental, as manchas de óleo já cobrem uma área de 101 quilômetros quadrados, equivalente ao tamanho de Paris.

O navio, que colidiu com um cargueiro chinês no dia 7 de janeiro, foi consumido por chamas nos últimos dias, e afundou ao largo da cidade de Xangai. Os corpos de três marinheiros foram resgatados, enquanto outros 29 tripulantes foram dados como mortos.

Ambientalistas e autoridades do governo chinês estão preocupados com os potenciais impactos do vazamento de óleo na região, considerada uma das mais ricas em biodiversidade, e também sobre o comércio de recursos pesqueiros.

O petroleiro iraniano transportava 139 mil toneladas de petróleo condensado (um tipo leve e altamente volátil do óldeo) do Irã para a coreia do Sul e boa parte desse volume queimou após a explosão.

A extensão da poluição não é clara: o petróleo condensado é menos visível e mais solúvel, tendo um impacto maior abaixo da superfície, o que não impede que contaminantes sejam transportados pelo fluxo do oceano e impactem a cadeia alimentar.

Especialistas criticaram a demora da China e de seus vizinhos no Pacífico, como Japão e Coreia de Sul, em responder ao desastre.

Richard Steiner, cientista da Marinha americana e professor aposentado pela Universidade do Alasca, que ajudou as Nações Unidas a elaborar diretrizes para avaliações de vazamentos de petróleo em alto mar, disse ao jornal britânico The Guardian que todos os países da região devem estabelecer protocolos sobre tráfego marítimo, resposta a desastres e avaliações ambientais para evitar novos acidentes no futuro.

À medida que a mancha de óleo continua a se espalhar, seu possível impacto ambiental pode ser limitado localmente ou acarretar vestígios de poluentes chegando até a costa oeste da América do Norte. A Administração Estatal de Oceanos da China recolheu dezenas de amostras de água da região atingida para analisar os poluentes e estimar o nível de contaminação.

No momento, há uma grande preocupação em identificar as fontes de vazamento no navio naufragado. O governo chinês anunciou na quarta-feira que usará robôs subaquáticos para procurar e bloquear pontos de vazamento e evitar que o óleo se expanda ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também