Mundo

UE exige que Shein passe por controle mais rígido no bloco

A partir do final de agosto, a empresa deverá responder a normas mais estritas

Publicado em 26 de abril de 2024 às 11h12.

A Shein, gigante chinesa do comércio online, foi enquadrada na Lei de Serviços Digitais (DSA, na sigla em inglês) da União Europeia, que estabelece regras mais rígidas para a operação do serviço no bloco.

Reporta-se que a empresa tenha cerca de 108 milhões de usuários mensais na região — muito mais do que os 45 milhões exigidos para que uma empresa seja incluída na lei. Assim, a varejista foi considerada uma 'plataforma muito grande', e a ela passa a se aplicar a DSA.

No mesmo grupo, estão inclusas plataformas como o Facebook, a Amazon e o TikTok. Dessa forma, a partir do fim de agosto, a Shein estará sujeita a normais mais estritas para continuar operando no bloco.

A DSA proíbe, por exemplo, anúncios potencialmente prejudiciais direcionados a menores de idade e demanda medidas para mitigar a compra de produtos considerados inseguros ou ilegais. Essas  plataformas também devem passar por uma auditoria externa independente uma vez por ano, às suas  custas.

Agora, a companhia terá quatro meses para se adaptar às novas regras. Caso contrário, correrá o risco de sofrer sanções, as quais podem bater 6% do faturamento global da empresa.

Até o momento, nenhuma empresa ou serviço violou a DSA. Portanto, fica difícil saber como funcionará, na prática, a aplicação de multas e outras punições.

Acompanhe tudo sobre:TikTokAmazonFacebookSheinUnião Europeia

Mais de Mundo

“Davos in the Desert” arrives in Rio to search for opportunities between Brazil and Saudi Arabia

“Davos do deserto” chega ao Rio com foco nas oportunidades entre Brasil e Arábia Saudita

Eleições dos EUA terão semanas decisivas; entenda o que estará em jogo

Partido Conservador francês propõe aliança com extrema direita para eleições no Parlamento

Mais na Exame