Trump processa 'CNN' por difamação e pede R$ 2,4 bilhões em indenização

O republicano pede uma indenização de US$ 475 milhões (R$ 2,45 bilhões) por notícias que, segundo ele, seriam falsas e tendenciosas
Donald Trump: ex-presidente dos EUA processa 'CNN' por difamação e pede R$ 2,4 bilhões em indenização (James Devaney / Colaborador/Getty Images)
Donald Trump: ex-presidente dos EUA processa 'CNN' por difamação e pede R$ 2,4 bilhões em indenização (James Devaney / Colaborador/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 04/10/2022 às 14:27.

Última atualização em 04/10/2022 às 14:27.

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump abriu um processo contra a emissora de televisão americana CNN por difamação. O republicano pede uma indenização de US$ 475 milhões (R$ 2,45 bilhões) por notícias que, segundo ele, seriam falsas e tendenciosas.

 Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

No processo, de 29 páginas, aberto na segunda-feira, 3, os advogados de Trump acusam a CNN de tentar prejudicar uma eventual candidatura do republicano à Presidência em 2024 e de desestabilizar o futuro pleito em favor da esquerda. Eles argumentam que o veículo de imprensa se refere ao ex-presidente "com uma série de rótulos escandalosos, falsos e difamatórios, como ‘racista’, ‘lacaio da Rússia’, ‘insurrecto’ e, em último caso, ‘Hitler’".

A ação lista casos em que a CNN teria comparado Trump ao ditador nazista, incluindo uma reportagem de janeiro deste ano que trazia imagens dos dois políticos. O processo será analisado por um tribunal federal em Fort Lauderdale, na Flórida.

"Além de simplesmente destacar qualquer informação negativa sobre o autor e ignorar todas aquelas positivas sobre ele, a CNN procurou usar sua enorme influência - supostamente como uma fonte de notícias confiável - para difamar o autor na mente de seus espectadores e leitores com o propósito de derrotá-lo politicamente", acrescentou a acusação.

A CNN se recusou a comentar o caso. Essa não é a primeira vez que Trump processa veículos de mídia por difamação. Em março do ano passado, por exemplo, a Justiça americana rejeitou uma ação movida pelo ex-presidente contra o jornal The New York Times - a contestação remetia a um artigo de opinião que associava Trump a autoridades russas.

Paralelamente, no mês passado, um juiz federal da Flórida rejeitou um processo do republicano contra a democrata Hillary Clinton, ex-secretária de Estado e adversária do político nas eleições de 2016. Eles contestavam suposições feitas por democratas de que a campanha do ex-presidente estaria vinculada ao Kremlin.

Na decisão, o juiz Donald Middlebrooks considerou que faltavam substância e apoio legal à ação e acusou Trump de "tentar exibir um manifesto político de 200 páginas descrevendo suas queixas contra aqueles que se opõem a ele".

Por outro lado, Trump é acusado em ao menos outros seis processos, incluindo uma investigação criminal do Departamento de Justiça dos EUA por reter registros do governo em seu resort na Flórida, depois de deixar o cargo em janeiro do ano passado. Paralelamente, um comitê do Congresso americano investiga a participação do republicano na invasão do Capitólio.

No mês passado, o ex-presidente também foi acusado pela procuradora-geral do Estado de Nova York, Letitia James, de distorcer valor de suas propriedades para obter benefícios financeiros. James também é alvo de um processo do ex-presidente que a acusa de liderar as investigações com pretensões políticas.

LEIA TAMBÉM: