Trump é incapaz de servir como presidente, alertam psiquiatras

Em carta divulgada pelo The New York Times, profissionais da saúde avaliam que fala e ações de Trump mostram sua instabilidade emocional

São Paulo – Um grupo de 35 psiquiatras, psicólogos e assistentes sociais de diferentes instituições e universidades, como Harvard e Columbia, classificou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como “incapaz” de servir com segurança no cargo de presidente pela instabilidade emocional notadas em seus discursos e ações.

A constatação foi publicada em uma carta divulgada pelo jornal The New York Times. Nela, o grupo liderado por Lance Dodes, ex-professor de psiquiatria da Harvard Medical School, e Joseph Schachter, ex-diretor da Associação Internacional de Psicanálise, fez uma breve análise de alguns dos traços comportamentais mais evidentes de Trump.

“As falas e ações demonstram a inabilidade em tolerar visões diferentes das suas, levando a reações raivosas”, consideraram os profissionais. “Suas palavras e comportamentos sugerem uma incapacidade profunda em simpatizar. Indivíduos com esses traços distorcem a realidade para que ela se encaixe em seu estado psicológico, atacando fatos e aqueles que os transmitem (jornalistas e cientistas). ”

“Em um líder poderoso, esses ataques tendem a aumentar, enquanto o seu mito pessoal de grandeza parece se confirmar”.

Embora exista um entendimento da Associação Americana de Psiquiatria que desencoraja esse tipo de avaliação de figuras públicas, o grupo crê haver “muito em jogo para continuar em silêncio”. Por essa razão, os profissionais decidiram se manifestar no espaço que a publicação reserva para a publicação de artigos de opinião.

Preocupações

A carta do grupo vem dias depois que o senador democrata Al Franken (Minessota) revelou à rede de notícias CNN que já existe uma preocupação entre alguns de seus colegas do Partido Republicano sobre a saúde mental de Donald Trump.

“Ele mente muito, ele diz coisas que não são verdade”, explicou o político , referindo-se ao episódio em que Trump disse que milhões de pessoas teriam votado ilegalmente nas eleições presidenciais. Contudo, não há evidências de que isso tenha acontecido. “Isso não é a norma para o presidente dos Estados Unidos ou qualquer ser humano”, pontuou Franken.

Em dezembro de 2016, semanas antes de o republicano assumir o posto, um trio de psiquiatras (dois da Universidade de Harvard e um da Universidade da Califórnia) já havia se manifestado sobre o tema em uma carta escrita ao então presidente Barack Obama e que foi obtida pelo site de notícias Huffington Post.

Nela, recomendaram que Trump recebesse uma avaliação psiquiátrica completa. “Seus sintomas de instabilidade mental – incluindo a grandiosidade, impulsividade, hipersensibilidade e desprezo a críticas, inabilidade de distinguir fantasia da realidade – nos faz questionar a sua aptidão para assumir as imensas responsabilidades do cargo”, escreveram.

Para os aliados do magnata, no entanto, essas preocupações são infundadas. “Se ele é louco, é louco como uma raposa”, disse à CNN Chris Ruddy, amigo pessoal de Trump e CEO da NewsMax Media. “Eu não subestimaria suas habilidades”, disse ele em resposta aos comentários sobre a saúde mental do atual presidente.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.