Mundo

Tremores de 6 graus sacodem o nordeste de Papua Nova Guiné

O Serviço de Alerta de Tsunami do Pacífico não emitiu nenhum aviso para o risco de ondas gigantes


	Papua Nova Guiné: o arquipélago está localizado sobre o "Círculo de Fogo do Pacífico"
 (Torsten Blackwood/AFP)

Papua Nova Guiné: o arquipélago está localizado sobre o "Círculo de Fogo do Pacífico" (Torsten Blackwood/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de outubro de 2016 às 10h27.

Sidney -- A ilha de Nova Irlanda, no nordeste de Papua Nova Guiné, na Oceania, foi sacudida neste sábado por dois tremores consecutivos, de magnitudes 6 e 6,4 na escala Richter, mas não foi declarado um alerta de tsunami e também não há informações sobre vítimas e danos.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, sigla em inglês), que monitora a atividade sísmica no mundo todo, localizou o hipocentro do primeiro tremor a 451 quilômetros sob o leito marinho.

O órgão americano situou o terremoto 144 quilômetros a nordeste de Kimbe e 191 quilômetros a sudoeste de Kavieng.

Poucas horas mais tarde, uma réplica de magnitude 6,4 atingiu a mesma região, com seu hipocentro a 446 quilômetros de profundidade.

O Serviço de Alerta de Tsunami do Pacífico não emitiu nenhum aviso para o risco de ondas gigantes.

O arquipélago de Papua Nova Guiné está localizado sobre o "Círculo de Fogo do Pacífico", uma região de grande atividade sísmica e vulcânica, onde acontecem cerca de 7 mil tremores todos os anos, a maioria deles moderados.

Um terremoto de magnitude 7 sacudiu em 1998 o Mar de Bismarck, no leste de Papua Nova Guiné, originando uma onda gigante que arrasou dezenas de aldeias e matou mais de 2.200 pessoas.

Acompanhe tudo sobre:AustráliaDesastres naturaisMeio ambientePaíses ricosTerremotosTsunami

Mais de Mundo

Olimpíadas de Paris podem ter táxis voadores elétricos após 'sinal verde' do governo

Brasil e Bolívia não podem tolerar "devaneios autoritários e golpismos", diz Lula

Campanha de Maduro aposta em etarismo contra candidato da oposição: 'Velho decrépito'

Justiça da França abre investigação sobre financiamento da campanha presidencial de Le Pen em 2022

Mais na Exame