Mundo

TikTok diz que recorrerá à Justiça após lei que pode proibi-lo nos EUA

Senado americano aprovou na terça-feira um projeto de lei que obriga a ByteDance a vender o app em 12 meses

O TikTok enfrenta críticas e desconfiança por parte de muitos políticos nos Estados Unidos (CFOTO/Future /Getty Images)

O TikTok enfrenta críticas e desconfiança por parte de muitos políticos nos Estados Unidos (CFOTO/Future /Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 24 de abril de 2024 às 15h54.

Tudo sobreTikTok
Saiba mais

O diretor-executivo do TikTok disse que uma lei promulgada nesta quarta-feira, 24, pelo presidente Joe Biden constitui uma proibição da plataforma e afirmou que a empresa recorrerá à Justiça.

"Não se enganem: isto é uma proibição. Uma proibição do TikTok e uma proibição para vocês e para sua voz", lançou Shou Zi Chew em uma mensagem em vídeo publicada na própria plataforma.

"Continuaremos lutando por seus direitos nos tribunais. Os fatos e a Constituição estão do nosso lado e esperamos vencer", afirmou.

O Senado dos Estados Unidos aprovou na terça-feira um projeto de lei que obriga a empresa-mãe ByteDance, gigante chinesa do entretenimento, a vender o TikTok em 12 meses. Caso contrário, a plataforma será removida das lojas de aplicativos de smartphones em todo o território americano.

A iniciativa já havia sido aprovada anteriormente na Câmara dos Representantes do Congresso.

“É um momento decepcionante, mas não será necessariamente determinante”, declarou o CEO da empresa chinesa. "É irônico porque a liberdade de expressão no TikTok reflete os mesmos valores americanos que tornam os Estados Unidos um farol de liberdade", acrescentou.

Polêmica sobre privacidade

Muitos líderes políticos americanos acreditam que o TikTok - que tem 170 milhões de usuários nos Estados Unidos - permite ao governo de Pequim coletar dados privados para espionar e manipular seus usuários.

“Quando os americanos pensam no poder, o acesso, as capacidades e o controle de que dispõe o TikTok, devem se perguntar o que pensam sobre isso nas mãos da matriz do TikTok e, portanto, do governo chinês e, no fim das contas, dos serviços de inteligência chineses”, declarou na terça o diretor do FBI, Christopher Wray, ao canal NBC.

“Investimos bilhões de dólares para proteger seus dados e preservar nossa plataforma de toda manipulação externa”, argumenta Chew.

“Essa legislação é inconstitucional”, disse Kate Ruane, da ONG americana Center for Democracy and Technology.

Elon Musk, proprietário do X (antigo Twitter), se manifestou na semana passada contra a medida, embora “possa favorecer” sua rede social. Ele alega que sua posição é a de defender “a liberdade de expressão”.

O texto vai além do TikTok, já que dá o poder ao presidente dos Estados Unidos de designar outros aplicativos como ameaças à segurança nacional se forem controlados por um país considerado hostil.

Problemas na Europa

Também nesta quarta-feira, o TikTok suspendeu um programa lançado na França e na Espanha que oferecia recompensas aos usuários e que havia provocado uma investigação da União Europeia por suspeitas de gerar "comportamentos viciantes".

No X, o TikTok anunciou: "Suspenderemos voluntariamente as funcionalidades de recompensas no TikTok Lite (uma versão simplificada do aplicativo) enquanto abordamos as preocupações levantadas (pelos reguladores)".

"O TikTok sempre busca colaborar de maneira construtiva com a Comissão Europeia (o braço executivo da UE) e outros reguladores", dizia a mensagem.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Joe BidenTikTok

Mais de Mundo

Quer morar nos EUA? Saiba quando você precisa ganhar para ser considerado 'classe média'

Morte de presidente do Irã não deve gerar revolução, mas disputa silenciosa, diz especialista

EUA: Yellen pedirá a aliados europeus para atuar de modo conjunto nas sanções contra a Rússia

Julgamento de Trump entra em fase final, em meio a suspense sobre seu testemunho

Mais na Exame