Mundo

Quem é Jean-Luc Mélenchon? Líder da esquerda na França comemora a vitória da Nova Frente Popular

Político disse que o NFP não aceitará 'combinações' e recusará negociações com outros grupos

Jean-Luc Mélenchon. (NurPhoto/Getty Images)

Jean-Luc Mélenchon. (NurPhoto/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 7 de julho de 2024 às 20h02.

Não demorou muito para Jean-Luc Mélenchon aproveitar o momento depois que as primeiras indicações das pesquisas sobre a votação legislativa francesa mostraram que a Nova Frente Popular estava caminhando para uma vitória surpreendente.

Antes que outros líderes dessa aliança — que inclui a sua própria extrema-esquerda, a França Insubmissa, os Socialistas e os Verdes — pudessem falar, Mélenchon assumiu o centro das atenções numa reunião de seguidores, exigindo que fosse chamado a governar o país. Ele declarou também que a Nova Frente Popular não aceitará “combinações” e recusará negociações com outros grupos.

"O NFP implementará todo o seu programa", disse Mélenchon aos seus apoiadores neste domingo. "Nada além de seu programa".

A aliança prometeu um grande aumento na despesa pública, um aumento no salário mínimo e uma redução na idade da reforma — medidas que provocariam um grande conflito com a União Europeia. O Institut Montaigne estima que as promessas de campanha da Nova Frente Popular exigiriam quase 179 bilhões de euros em fundos adicionais por ano.

A aliança de esquerda está preparada para obter entre 172 e 210 assentos na Assembleia Nacional, de acordo com as primeiras projeções — ainda muito aquém dos 289 necessários para uma maioria absoluta. Na BFM TV, a ministra da educação francesa, Nicole Belloubet, foi rápida a salientar que, apesar de todas as reivindicações de Mélenchon ao direito do seu partido a governar, a Nova Frente Popular não tem legisladores suficientes para controlar o parlamento.

O presidente Emmanuel Macron aguardará que a nova configuração da Assembleia Nacional seja estabelecida antes de tomar qualquer decisão, afirmou o Palácio do Eliseu em comunicado.

Possível reação do mercado financeiro

Isto, no entanto, não impede que o mercado financeiro e os investidores fiquem alarmados com a probabilidade de a Nova Frente Popular e alguém como Mélenchon governar a França. O fã de 72 anos do ex-líder venezuelano Hugo Chávez e do cubano Fidel Castro há muito que assusta o mercado e os investidores sempre que se aproxima do poder.

Conhecido pelos seus discursos inflamados, muitas vezes sem teleprompter ou notas e usando a sua marca registada, a mistura de humor e raiva, o líder da esquerda já disse que a França é um país “com uma riqueza enorme e mal distribuída”.

Histórico

Filho de um funcionário dos correios e de uma professora, ambos descendentes de espanhóis e italianos que emigraram para a Argélia na virada do século, Mélenchon nasceu em Tânger, hoje Marrocos, quando esta era uma zona internacional. Mudou-se para a França aos 11 anos, estudou filosofia, fez vários trabalhos, inclusive como jornalista e revisor, e se envolveu na política trotskista. Ingressou no Partido Socialista em 1976, aos 25 anos, e foi eleito para vários cargos legislativos regionais, nacionais e europeus.

Mélenchon foi vice-chefe da região de Essonne, ao sul de Paris, de 1998 a 2004, e ministro júnior no Ministério da Educação de 2000 a 2002. Ele rompeu com o Partido Socialista em 2008, dizendo que este estava se tornando muito favorável aos negócios. Em 2016, fundou a France Unbowed e, em 2022, concorreu à presidência — pela terceira vez.

Agora, Mélenchon voltou a ser alguém com quem se deve contar. Mesmo que a aliança da qual ele faz parte não tenha votos para governar sozinha, é provável que exija novos compromissos de gastos de Macron, a fim de formar uma nova administração.

Acompanhe tudo sobre:FrançaEleições

Mais de Mundo

Cuba reconhece que deve dolarizar parcialmente sua economia para recuperar moeda nacional

Eleitores de Trump adotam visual com orelhas enfaixadas em convenção republicana; veja vídeo

Republicanos convocam chefe do Serviço Secreto para depor sobre ataque a Trump

Eleições Venezuela: Edmundo González tem 59% das intenções de voto contra 24,6% de Nicolás Maduro

Mais na Exame