Brasil

Lula diz que derrota da extrema direita na França mostra força do ‘diálogo contra o extremismo’

Grupo de esquerda elegeu o maior número de parlamentares em eleições na França

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 7 de julho de 2024 às 20h06.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorou na tarde deste domingo, 7, a vitória do bloco de esquerda nas eleições parlamentares da França. Os resultados iniciais das eleições no país apontam que o bloco formado por partidos de esquerda deverá ter o maior número de cadeiras na Assembleia Nacional do país, apesar de não ser o suficiente para formar a maioria sem alianças.

Em uma publicação nas redes sociais, Lula afirmou que o resultado demonstra a 'grandeza e maturidade' das forças políticas no país. "Esse resultado, assim como a vitória do partido trabalhista no Reino Unido, reforça a importância do diálogo entre os segmentos progressistas em defesa da democracia e da justiça social. Devem servir de inspiração para a América do Sul", disse Lula.

Europa à esquerda

Na última quinta-feira, o Partido Trabalhista também saiu vencedor no Reino Unido, formando maioria no Parlamento britânico e formando o novo governo do país, liderado por Keir Starmer.

Na França, o bloco de esquerda Nova Frente Popular se consolidou como o maior do Parlamento da França, após os resultados do segundo turno das eleições legislativas, realizado neste domingo. A extrema direita liderada pelo Reagrupamento Nacional (RN), de Marine Le Pen e Jordan Bardella, ficou em terceiro lugar, segundo as projeções, atrás do bloco do presidente Emmanuel Macron.

Os franceses votaram de maneira contundente: a participação foi de 67%, a mais alta registrada durante um segundo turno em mais de 40 anos e ligeiramente maior do que no primeiro turno. Logo após o anúncio dos resultados, o primeiro ministro, Gabriel Attal, renunciou ao cargo. O resultado contrariou as expectativas, que esperava que o grupo de Marine Le Pen ficaria em primeiro lugar, embora também sem conseguir formar maioria no Parlamento.

Acompanhe tudo sobre:FrançaEleições

Mais de Brasil

Farmácia Popular passa a oferecer 95% dos medicamentos gratuitamente

André Mendonça, do STF, dá 30 dias para governo concluir renegociação das multas da Lava-Jato

Força-tarefa extingue 30 pontos de queimada no Pantanal, diz Marina

CCJ do Senado adia votação da PEC do marco temporal de áreas indígenas

Mais na Exame