Prisão perpétua para assassinos de soldado em rua de Londres

Em 22 de maio, os dois britânicos de origem nigeriana e convertidos ao Islã atacaram o soldado Lee Rigby na frente de transeuntes que filmaram toda a cena

Londres – O principal culpado pelo assassinato de um soldado britânico em plena luz do dia em uma rua de Londres em maio do ano passado foi condenado nesta quarta-feira à prisão perpétua, enquanto seu cúmplice recebeu uma pena de 45 anos de prisão.

Michael Adebolajo, de 29 anos, que passará o resto de sua vida na cadeia, e Michael Adebowale, de 22 anos, precisaram ser retirados do tribunal nesta quarta-feira por insultarem o juiz responsável pelo caso, Nigel Sweeney.

Adebolajo gritou “Allah Akbar!” (Alá é grande”), enquanto seu cúmplice chamou de mentira as afirmações segundo as quais os dois jovens teriam “traído o Islã” com este crime.

Em 22 de maio, os dois britânicos de origem nigeriana e convertidos ao Islã atacaram o soldado Lee Rigby na frente de transeuntes que filmaram toda a cena.

Rigby, casado e pais de uma criança de dois anos no momento do crime, foi atropelado e quase decapitado pelos agressores em uma rua de Woolwich, um bairro do sudeste de Londres.

Em um vídeo gravado por uma testemunha, Michael Adebolajo declarou que “a única razão pela qual matamos este homem é porque muitos muçulmanos morrem a cada dia assassinados por soldados britânicos. Com este soldado britânico, foi olho por olho, dente por dente”.

Ao anunciar o veredicto, o juiz Sweeney considerou o crime como “chocante e inútil” e de caráter “terrorista”, além de criticar os acusados por se vangloriarem pelo crime.

“Seu comportamento revoltante e sem piedade contrasta com a coragem de muitas mulheres que estavam no local e que cuidaram (do soldado) Lee Rigby, e que se indignaram com o que vocês fizeram e disseram”, declarou o juiz.

Ele considerou que os acusados não têm nenhuma chance de reinserção na sociedade.

Suporte a Exame, por favor desabilite seu Adblock.