Mundo

Presidente hondurenho mantém vantagem após recontagem parcial

Na apuração total dos votos, Hernández lidera a eleição com 42,98%, contra 41,38% de Nasralla

Eleitores do presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, seguram cartazes em apoio ao candidato (Edgard Garrido/Reuters)

Eleitores do presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, seguram cartazes em apoio ao candidato (Edgard Garrido/Reuters)

A

AFP

Publicado em 10 de dezembro de 2017 às 10h07.

O presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, mantém a vantagem na apuração da polêmica eleição de 26 de novembro, na qual tenta a reeleição, depois que o Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) concluiu uma recontagem parcial dos votos.

O presidente do TSE, David Matamoros, afirmou que o "resultado é consistente" com o que havia sido divulgado previamente de 1,6% a favor de Hernández, do Partido Nacional (PN), sobre o apresentador de televisão Salvador Nasralla, da esquerdista Aliança de Oposição Contra a Ditadura.

Matamoros fez o anúncio após a recontagem dos votos de 4.753 urnas que apresentavam dúvidas. Ele explicou que o TSE começará agora a analisar os pedidos de impugnação apresentados.

Após pedidos de observadores da União Europeia e da OEA, o tribunal iniciou na quinta-feira a recontagem de 4.753 atas de apuração que entraram no sistema depois de uma série de interrupções e que deram vantagem Hernández.

Nas atas em questão, Hernández superou Nasralla por 55,11% contra 31,54%.

Na apuração total dos votos, Hernández lidera a eleição com 42,98%, contra 41,38% de Nasralla.

A aliança de oposição apresentou na sexta-feira um pedido para impugnar a votação e a apuração, alegando uma "alteração intencional das atas de apuração" para assegurar a vitória de Hernández.

"Eles (os juízes do TSE) sabem que esse processo é completamente falido. É um processo onde há roubo de todos os lados", afirmou Nasralla, após entregar o recurso junto com o advogado e diretor de campanha do partido, Marlon Ochoa.

O recurso pretende anular a eleição e os resultados das 18.103 urnas, segundo o documento apresentado pelos opositores.

Ochoa disse à AFP que o TSE provavelmente vai declarar improcedente o recurso. "Mas estamos usando o recurso interno para seguir às instâncias internacionais", explicou.

O advogado afirmou que a recontagem apresentada neste domingo pelo TSE não é aceita pela aliança, que não tem representantes no processo.

O primeiro boletim do TSE, com 57% dos votos apurados, apresenta uma vantagem de cinco pontos para Nasralla, mas, após uma série de interrupções no sistema de informática, o resultado mudou e passou a apresentar a vantagem do atual presidente.

A aliança opositora, coordenada pelo ex-presidente Manuel Zelaya - destituído em 2009 -, saiu às ruas para protestar, alegando fraude.

Bloqueios em ruas, avenidas e rodovias foram registrados em todo o país, assim como saques e incêndios em estabelecimentos comerciais.

Os manifestantes foram alvos da repressão da polícia e 14 pessoas morreram, de acordo com a Anistia Internacional.

A aliança convocou novos protestos neste domingo em todo o país para reivindicar vitória de Nasralla.

A candidatura de Hernández é questionada por vários setores porque a Constituição proíbe a reeleição, mas o Tribunal Constitucional derrubou o veto após um recurso apresentado por seus simpatizantes.

Acompanhe tudo sobre:EleiçõesHonduras

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame