A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Variante do coronavírus pode ser mais contagiosa do que a delta; entenda

Nova variante AY4.2 é quase inexistente fora do Reino Unido, com exceção de três casos detectados nos Estados Unidos e alguns poucos na Dinamarca

O governo britânico, que enfrenta um aumento significativo dos casos diários de covid-19, anunciou nesta terça-feira, 19, que "monitora muito de perto" uma nova subvariante do coronavírus que está se propagando no Reino Unido, sem saber ainda se é mais contagiosa. 

A nova mutação, denominada "AY4.2", deriva da variante delta, altamente transmissível, detectada inicialmente na Índia e que provocou uma disparada de casos no Reino Unido no final da primavera boreal (outono no Brasil).

  • Quer saber tudo sobre o desenvolvimento e eficácia de vacinas contra a covid-19? Assine a EXAME e fique por dentro.

"Estamos monitorando muito de perto esta nova forma e não hesitaremos em tomar medidas caso seja necessário", afirmou nesta terça-feira um porta-voz de Downing Street. No entanto, "não há nenhum motivo para acreditar que esteja se espalhando com mais facilidade", afirmou.

O surgimento desta nova subvariante ocorre em um momento em que o país, um dos mais castigados da Europa com 138.000 mortes por covid-19, enfrenta um número crescente de casos positivos.

Há duas semanas, os novos casos diários oscilam entre 35.000 e 45.000, com uma taxa de incidência de 410 casos a cada 100.000 habitantes até 12 de outubro, muito maior que a do restante da Europa.

Alguns cientistas atribuem essa deterioração, que no momento afeta principalmente os adolescentes e adultos jovens, ao baixo nível da vacinação entre os mais novos, à redução da imunidade nos idosos que se vacinaram há muitos meses e ao levantamento da maioria das restrições em julho na Inglaterra, como o uso de máscara em lugares fechados.

Na opinião do diretor do Instituto de Genética da University College London, François Balloux, a nova variante "não é a causa do recente aumento do número de casos no Reino Unido".

O cientista explicou que, com sua baixa frequência atual, até "10% mais de transmissibilidade só poderia ter causado um pequeno número de casos adicionais".

O surgimento da AY4.2 "não é uma situação comparável à das cepas alfa e delta, que eram muito mais transmissíveis (50% ou mais) do que qualquer cepa que circulava naquele momento", afirmou.

A nova variante AY4.2 é quase inexistente fora do Reino Unido, com exceção de três casos detectados nos Estados Unidos e alguns poucos na Dinamarca, que desde então quase desapareceram. Sua reação diante das vacinas existentes está sendo investigada.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também