Mundo

Noruega é o melhor país para se viver, diz índice da ONU

O Índice de Desenvolvimento Humano leva em conta a renda, a esperança de vida e o nível de educação dos países ao redor do mundo

Noruega: o índice inclui 188 países e faz parte do relatório sobre desenvolvimento humano apresentado pela ONU (Hesse1309/Wikimedia Commons)

Noruega: o índice inclui 188 países e faz parte do relatório sobre desenvolvimento humano apresentado pela ONU (Hesse1309/Wikimedia Commons)

E

EFE

Publicado em 21 de março de 2017 às 13h46.

Última atualização em 21 de março de 2017 às 13h48.

Copenhague - A Noruega é mais uma vez o país onde melhor se vive no mundo, e a República Centro-Africana, o pior, de acordo com o Índice de Desenvolvimento Humano divulgado nesta terça-feira pela ONU, baseado em dados de 2015.

Austrália, Suíça, Alemanha, Dinamarca, Cingapura, Holanda, Irlanda, Islândia e Canadá, empatada com Estados Unidos, completam os dez primeiros lugares da classificação elaborada anualmente pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e que leva em conta a renda, a esperança de vida e o nível de educação.

Na lista, que inclui 188 países e faz parte do relatório sobre desenvolvimento humano apresentado hoje em Estocolmo, o Reino Unido ocupa a posição 16, à frente de Japão (17), França (21), Itália (26), Espanha (27), Chile (38), Argentina (45) e Rússia (49), dentro do grupo de 51 países de desenvolvimento muito alto. Já o Brasil ocupa a posição de número 79.

Os últimos dez países da classificação, todos africanos, são, começando pelo pior, República Centro-Africana, Níger, Chade, Burkina Fasso, Burundi, Guiné, Sudão do Sul, Moçambique, Serra Leoa e Eritreia.

A Noruega também lidera a classificação do IDH ajustado pela desigualdade interna (IHDI), uma lista na qual se destacam de forma negativa entre os países do primeiro grupo Chile, Argentina, Coreia do Sul, Estados Unidos e Israel.

O Pnud ressaltou que o IDH global melhorou mais de 20% desde 1990, 45% no caso dos países menos desenvolvidos.

Por outro lado, o IDHI mostra que, considerando os indicadores de desigualdade, 22% do progresso nesse desenvolvimento foi perdido nos últimos 15 anos e que a maior perda recai nos países com menor desenvolvimento humano, com 32% de média.

Quanto ao Índice de Desigualdade de Gênero, outro indicador incluído no relatório, a Suíça é o país com menor desigualdade entre homens e mulheres, seguida por Dinamarca, Holanda, Suécia e Islândia, enquanto o Iêmen ocupa o último lugar de 159 países, atrás de Níger, Chade, Mali e Costa do Marfim.

Em nível mundial, o estudo revela que o índice de desenvolvimento humano médio é seis pontos percentuais menor para as mulheres, uma lacuna que cai para dois pontos nos países do primeiro grupo e aumenta para 15 nos de baixo desenvolvimento.

Quase 1,5 bilhão de pessoas nos países em desenvolvimento vivem no que o Pnud chama de pobreza multidimensional, um índice que leva em conta fatores como o acesso a água potável, combustível e serviços de saúde, assim como artigos domésticos e outros.

Desse número total, 54% vivem no sudeste asiático e 34% na África Subsaariana.

O relatório, batizado este ano de "Desenvolvimento Humano para todo o mundo", ressalta que, apesar dos progressos gerais vividos nos últimos 15 anos, uma em cada três pessoas no mundo segue vivendo com baixos níveis de desenvolvimento e que mais de 300 milhões nos países avançados vivem na pobreza relativa.

O Pnud ressalta que, quase na totalidade dos países, grupos como mulheres, indígenas, minorias étnicas, incapacitados, imigrantes e refugiados, lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais sofrem desvantagens específicas que se sobrepõem, aumentando sua vulnerabilidade.

 

Acompanhe tudo sobre:EducaçãoExpectativa de vidaIDHNoruegaONUqualidade-de-vida

Mais de Mundo

Há comida nos mercados, mas ninguém tem dinheiro para comprar, diz candidata barrada na Venezuela

Companhias aéreas retomam gradualmente os serviços após apagão cibernético

Radiografia de cachorro está entre indícios de esquema de fraude em pensões na Argentina

Trump conversa com Zelensky e promete "negociação" e "fim da guerra" na Ucrânia

Mais na Exame