Nigéria proíbe protestos contra sequestro de meninas

Polícia da Nigéria proibiu protestos contra o sequestro das mais de 200 meninas pela seita islâmica Boko Haram

Lagos - A polícia da Nigéria proibiu em Abuja, capital do país, os protestos contra o sequestro das mais de 200 meninas pela seita islâmica Boko Haram, informou nesta terça-feira a imprensa local.

As meninas, todas estudantes, foram sequestradas em uma escola em Chibok, no norte do país, e estão em cativeiro há 50 dias.

O delegado de Abuja, Joseph Mbu, anunciou no final da noite de ontem que a realização das manifestações, que originaram o movimento "Bring back our girls", estão proibidas.

Os protestos ocorrem diariamente e de forma pacífica em Abuja para exigir o resgate das menores, raptadas em 14 de abril.

Na semana passada, as ativistas do movimento "Bring back our girls" foram atacadas por manifestantes do grupo "Release our girls".

Segundo a oposição, a ação foi impulsionada pelo governo do presidente Goodluck Jonathan para deslocar o foco dos protestos do sequestro para os fundamentalistas do Boko Haram, informou a Agência Nigeriana de Notícias.

O presidente da Nigéria pediu aos manifestantes que protestem contra a seita islâmica e não contra o governo, muito criticado por sua incapacidade para localizar e resgatar as menores, apesar da ajuda internacional que está recebendo.

Enquanto isso, a líder do movimento "Bring back our girls", a ex-ministra de Educação Oby Ezekwesili, criticou o "excesso de zelo" da polícia de Abuja.

"Estão tentando negar aos manifestantes seu direito constitucional de protestar", criticou Ezekwesili.

A ex-ministra afirmou que os ativistas denunciarão a proibição das passeatas na justiça nigeriana.

O Boko Haram, cujo nome significa em línguas locais "a educação não islâmica é pecado", luta para impor um Estado islâmico na Nigéria, país de maioria muçulmana no norte e predominantemente cristã no sul.

Desde que a polícia matou em 2009 o então líder e fundador da organização, Mohammed Yousef, os radicais mantêm uma sangrenta campanha, que deixou mais de quatro mil mortos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.