A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Não pensamos que normalização seria fácil, dizem EUA a Fidel

Porta-voz do Departamento de Estado disse que "ninguém esperava" que o restabelecimento das relações entre EUA e Cuba fosse ser "linear, fácil ou rápido"

Washington - O governo americano respondeu a Fidel Castro nesta segunda-feira que "ninguém esperava" que a normalização das relações após a "problemática" história entre Estados Unidos e Cuba fosse "fácil", depois da histórica visita da semana passada à ilha do presidente Barack Obama.

"Fidel Castro pode falar por si mesmo sobre a problemática história entre EUA e Cuba (...). As políticas prévias dos últimos 50 anos não funcionaram, achamos que é preciso comprometer-se para finalmente ter relações normais com Cuba", declarou John Kirby, porta-voz do Departamento de Estado em sua entrevista coletiva diária.

Kirby reconheceu que "ninguém esperava" que o restabelecimento das relações entre EUA e Cuba fosse ser "linear, fácil ou rápido".

"Reconhecemos que ainda há diferenças, os direitos humanos são uma delas (...). Mas achamos que o modo de solucioná-las é tendo diálogo", acrescentou.

O porta-voz comentou assim o artigo de Fidel Castro publicado hoje nos veículos de comunicação oficiais da ilha intitulado "Irmão Obama", e no qual assegura que Cuba não precisa que "o império" lhe presenteie nada.

O ex-líder cubano, de 89 anos e retirado do poder em 2006, analisa em sua "reflexão" o discurso do presidente Obama, feito na terça-feira passada ao povo cubano durante sua visita à ilha, a primeira de um líder americano em mais de oito décadas.

Sobre as declarações de Obama em Cuba a favor de "esquecer o passado e olhar para o futuro", Fidel afirma que os cubanos correram "o risco de um infarto" após escutar o presidente dos EUA falar de ambos países como "amigos, família e vizinhos", e mencionou o "bloqueio impiedoso que durou 60 anos" e a invasão da Baía dos Porcos em 1961.

EUA e Cuba reabriram suas respectivas embaixadas em julho do ano passado dentro do processo de normalização de relações iniciado em dezembro de 2014 por Obama e Raúl Castro, presidente cubano e irmão de Fidel. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também