Mortes por coronavírus na Itália crescem 25% em 24 horas; EUA registram 41

Itália registra 1.266 mortes por coronavírus; casos nos Estados Unidos chegam a 1.678

Coronavírus: casos americanos contam com 49 pessoas repatriadas do Japão e da China (David Ryder/Reuters)

Coronavírus: casos americanos contam com 49 pessoas repatriadas do Japão e da China (David Ryder/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 13 de março de 2020 às 15h10.

Última atualização em 18 de março de 2020 às 14h06.

 O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos reportou nesta sexta-feira 1.678 casos de coronavírus, um aumento de 414 casos em relação à contagem anterior, e o número de mortes aumentou para 41.

A agência disse que os casos foram relatados por 46 Estados e pelo Distrito de Columbia.

A contagem do CDC inclui 49 casos entre pessoas repatriadas do Japão e Wuhan, China, onde o surto começou.

Os números não refletem necessariamente casos relatados por Estados individuais.

Os dados se referem ao total registrado pelo CDC às 16h (horário local) de 12 de março.

O rápido avanço na Itália

O número de mortes de pacientes com coronavírus na Itália saltou nas últimas 24 horas para 1.266, um aumento de 25% e o maior crescimento em números absolutos desde o início do surto, informou a Agência de Proteção Civil nesta sexta-feira.

França: novos casos e mortes

A França registrou nas últimas 24 horas 800 novos casos de coronavírus, elevando o número total de infectados para 3.661. O número de mortos em decorrência da covid-19 também subiu: foi de 61 ontem para 79 hoje.

A França proibiu que reuniões de mais de 100 pessoas aconteçam no país. O governo estima perdas na ordem de 10 bilhões de euros em receitas vindas do turismo durante os quatro primeiros meses de 2020.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus:

Mais de Mundo

Ordem judicial retira da oposição venezuelana o controle de um de seus maiores partidos

Equador captura líder criminoso foragido que ameaçou procuradora-geral

Polônia indica que poderia abrigar armas nucleares de outros membros da Otan para conter Rússia

Após prisões em Columbia, protestos contra a guerra em Gaza se espalham por universidades dos EUA

Mais na Exame