Junta Militar egípcia insiste que deixará o poder

Os generais se comprometeram a organizar eleições livres e transparentes, apesar dos recentes distúrbios no Cairo

Cairo - A Junta Militar egípcia insistiu nesta quinta-feira que deixará o poder nas mãos de uma autoridade civil antes de 30 de junho e se comprometeu a organizar eleições livres e transparentes, apesar dos recentes distúrbios no Cairo.

O general Mohammed al-Assar disse em entrevista coletiva que o número de mortos pelos confrontos entre manifestantes e agitadores nos arredores do Ministério da Defesa chegou a nove, após o falecimento de outra vítima nesta quinta.

Na última quarta-feira, fontes policiais informaram a morte de vinte pessoas depois do ataque de desconhecidos a um camping com manifestantes em frente à sede do Ministério da Defesa. A ação desencadeou confrontos que só foram apaziguados com a chegada das forças da ordem.

Pelo menos 168 pessoas ficaram feridas nesses conflitos, afirmou o membro da Junta Militar, que pediu a colaboração de todos os egípcios na transição política como forma de garantir o direito de manifestação pacífica. 'Acampar perto da sede das Forças Armadas é muito perigoso. Achamos que a Praça Tahrir é suficiente para manifestações', disse.

O general falou que a Junta Militar não deseja continuar no poder, como denunciam os manifestantes e reiterou sua intenção de transferi-lo a uma autoridade civil antes de 30 de junho. Além disso, destacou que a comissão eleitoral convidou representantes de 45 países e três organizações internacionais para acompanhar as eleições presidenciais, entre elas o Centro Carter, que já esteve presente no pleito legislativo.

Após insistir na transparência do processo eleitoral, o general solicitou às forças políticas que busquem um consenso na redação da próxima Constituição, que espera que fique pronta antes do fim do período transitório.

O primeiro turno das eleições presidenciais no Egito está previsto para acontecer entre 23 e 24 de maio. Esse é o primeiro pleito desde a revolução de 25 de Janeiro de 2011, que gerou a renúncia do ex-presidente Hosni Mubarak em fevereiro do mesmo ano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.