Mundo

Michael Cohen, ex-homem de confiança de Trump, volta ao tribunal

Cohen foi a principal testemunha do julgamento contra o ex-presidente em um tribunal de Manhattan

O ex-advogado de Trump, Michael Cohen, chega ao tribunal criminal de Manhattan para o julgamento do ex-presidente dos EUA, Donald Trump (Nicolas REVISE, Andréa BAMBINO/AFP)

O ex-advogado de Trump, Michael Cohen, chega ao tribunal criminal de Manhattan para o julgamento do ex-presidente dos EUA, Donald Trump (Nicolas REVISE, Andréa BAMBINO/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 14 de maio de 2024 às 11h48.

Última atualização em 14 de maio de 2024 às 11h55.

Tudo sobreEstados Unidos (EUA)
Saiba mais

Michael Cohen, ex-homem de confiança de Donald Trump e agora seu grande inimigo, retorna, nesta terça-feira, 14, ao tribunal de Nova York para ser interrogado pelos advogados do ex-presidente republicano em seu julgamento sobre os pagamentos, que foram disfarçados como despesas legais, à ex-atriz pornô Stormy Daniels.

Na segunda-feira, Cohen foi a principal testemunha do julgamento contra Trump em um tribunal de Manhattan, um processo iniciado em meados de abril e o primeiro contra um ex-presidente dos Estados Unidos.

O advogado, de 57 anos, que prestava serviços ao ex-presidente republicano (2017-2021) antes de se voltar contra ele em 2018, o incriminou durante as 5 horas em que foi interrogado.

Cohen afirmou que foi ele que pagou Daniels para comprar seu silêncio sobre uma suposta relação sexual com Trump, o que o magnata sempre negou.

Segundo a Promotoria, os pagamentos foram ocultados e registrados como "gastos legais" na contabilidade da Trump Organization.

De acordo com a acusação e com Cohen, se tratava de comprar o silêncio de mulheres com as quais o magnata nova-iorquino supostamente mantinha relação extraconjugal.

O candidato republicano expressou medo pelo efeito "catastrófico" que essas revelações provocariam e o "ódio" de parte do eleitorado feminino nas eleições de 2016 contra Hillary Clinton.

Cohen, que não nega seu apelido "pitbull", pronto para fazer qualquer coisa por seu ex-chefe, também reconheceu no tribunal ter mentido, intimidado e ameaçado por causa de Trump.

Nervoso no início, a testemunha descreveu como transferiu US$ 130 mil para Daniels, cujo verdadeiro nome é Stephanie Clifford.

A mulher, de 45 anos, também é uma das principais testemunhas do processo e, na semana passada, apresentou sua versão detalhada dos fatos.

Em sua declaração, Cohen também se referiu ao suposto relacionamento de meses de Trump com a modelo da Playboy Karen McDougal. “Certifique-se de que isso não seja divulgado”, ele lembrou que o magnata lhe disse.

“Eu estava fazendo tudo o que podia e ainda mais para proteger meu chefe, e já fazia isso há muito tempo”, admitiu.

Ao ouvir as declarações de Cohen, com quem brigou em 2018, Trump permaneceu impassível, concentrado na leitura de artigos de jornal, balançando a cabeça ou falando em voz baixa com seus advogados.

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Governo colombiano inicia diálogo com dissidência das Farc

Ministro alemão diz que tarifas da UE a carros elétricos chineses não são punitivas

Dez freiras espanholas foram excomungadas pelo Vaticano; entenda

Mulheres israelenses correm para comprar armas depois de 7 de outubro

Mais na Exame