Mundo

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, vai se declarar culpado; entenda

Acordo põe fim a uma prolongada batalha que começou depois de o fundador do WikiLeaks ter revelado segredos de Estado na década de 2010

Julian Assange: fundador do WikiLeaks concordou em se declarar culpado (Jack Taylor/Getty Images)

Julian Assange: fundador do WikiLeaks concordou em se declarar culpado (Jack Taylor/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 24 de junho de 2024 às 20h57.

Última atualização em 26 de junho de 2024 às 11h52.

Tudo sobreJulian Assange
Saiba mais

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, concordou em se declarar culpado nesta segunda-feira de uma única acusação de crime de disseminação ilegal de material de segurança nacional em troca de sua libertação de uma prisão britânica, encerrando seu longo e amargo impasse com os Estados Unidos.

Assange, 52 anos, recebeu seu pedido para comparecer perante um juiz federal em um dos postos mais remotos do judiciário federal, o tribunal de Saipan, capital das Ilhas Marianas do Norte, de acordo com um processo judicial tornado público na noite desta segunda-feira, 24.

Salvo problemas de última hora, o acordo põe fim a uma batalha prolongada que começou depois de Assange ter sido alternadamente celebrado e insultado por revelar segredos de Estado na década de 2010. Estes incluíam material sobre a atividade militar americana no Iraque e no Afeganistão, bem como telegramas confidenciais partilhados entre diplomatas.

Relembre o caso

Durante a campanha de 2016, o WikiLeaks divulgou milhares de e-mails roubados do Comitê Nacional Democrata, levando a revelações que envergonharam o partido e a campanha de Hillary Clinton.

Em 2019, um grande júri federal indiciou Assange por 18 acusações relacionadas com a divulgação pelo WikiLeaks de um vasto conjunto de documentos de segurança nacional. Estes incluíam um tesouro de materiais enviados à organização por Chelsea Manning, uma antiga analista de inteligência do Exército dos EUA que entregou informações sobre planejamento e operações militares quase uma década antes.

Se condenado, Assange poderia ter enfrentado uma pena máxima de 170 anos numa prisão federal.

Uma década de acordos

O acordo não foi inesperado. No início deste ano, o primeiro-ministro Anthony Albanese, da Austrália, sugeriu que os procuradores dos EUA precisavam concluir o caso, e o presidente Joe Biden sinalizou que estava aberto a uma resolução rápida. Altos funcionários do Departamento de Justiça aceitaram um acordo sem pena adicional de prisão porque Assange já tinha cumprido mais tempo do que a maioria das pessoas acusadas de um crime semelhante — neste caso, mais de cinco anos de prisão no Reino Unido.

Pouco depois de as acusações terem sido anunciadas, a Polícia Metropolitana de Londres entrou na embaixada do Equador, onde Assange tinha buscado refúgio anos antes, e o levou sob custódia. Ele está sob custódia desde então, enquanto sua equipe jurídica luta contra os esforços do Departamento de Justiça para extraditá-lo.

Acompanhe tudo sobre:WikiLeaksJulian AssangeEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Biden chama Zelensky de 'Putin' em discurso na Otan

Biden crava que não vai desistir das eleições nos EUA; veja coletiva

Milei cita cantor Roberto Carlos e o personagem Zorro em discurso na Argentina

Casa Branca adverte que Putin não poderá "sobreviver" à guerra após acordos da Otan

Mais na Exame