Mundo

Israel dá ao Hamas 1 semana para fechar um acordo, ou a ofensiva em Rafah começará, diz Egito

Grupo militante espera por melhores condições que garantam sua sobrevivência no conflito

Guerra Israel-Hamas: conflito teve início em 7 de outubro de 2023 (AFP/AFP)

Guerra Israel-Hamas: conflito teve início em 7 de outubro de 2023 (AFP/AFP)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 3 de maio de 2024 às 15h05.

Última atualização em 3 de maio de 2024 às 15h11.

Tudo sobreConflito árabe-israelense
Saiba mais

Israel deu ao Hamas uma semana para concordar com um acordo de cessar-fogo ou iniciará uma operação militar em Rafah, disseram autoridades egípcias informadas sobre o assunto nesta sexta-feira, 3, enquanto o grupo militante espera por melhores condições que garantam sua sobrevivência. O Egito trabalhou com Israel em uma proposta revisada de cessar-fogo que apresentou ao Hamas no fim de semana passado, segundo autoridades egípcias.

Esperava-se que a liderança política do Hamas consultasse o seu braço militar em Gaza e voltasse à proposta. Mas Yahya Sinwar, o líder militar do grupo em Gaza, que se acredita estar escondido nos túneis do enclave e que toma as decisões finais, não respondeu.

Autoridades egípcias disseram que convidaram altos funcionários do Hamas a retornar ao Cairo nos próximos dias para continuar as negociações.

O Hamas disse em comunicado na quinta-feira que sua equipe de negociação irá ao Egito em breve para discutir os termos. Autoridades egípcias dizem que o Hamas está buscando uma trégua de longo prazo e garantias dos EUA de que um cessar-fogo será respeitado por Israel.

Autoridades do Hamas expressaram preocupação com o fato de a última proposta ainda ser muito vaga e dar espaço a Israel para reiniciar os combates.

A última proposta apela a um período inicial de calma até 40 dias, durante os quais o Hamas libertaria até 33 reféns, seguindo-se a possível negociação de um cessar-fogo de longo prazo.

As fases seguintes incluiriam um cessar-fogo de pelo menos seis semanas, durante o qual o Hamas e Israel tentariam chegar a acordo sobre a libertação de mais reféns e uma pausa prolongada nos combates que poderia durar até um ano.

O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, afirma que os militares enviarão forças terrestres para Rafah - uma cidade no extremo sul da Faixa de Gaza onde mais de um milhão de civis palestinos estão abrigados - independentemente de um acordo ser alcançado.

Os militares israelenses disseram que Rafah é o último reduto do Hamas. Mas, a portas fechadas, as autoridades israelenses estão considerando adiar a invasão de Rafah indefinidamente se for alcançado um acordo a longo prazo, dizem as autoridades egípcias.

Autoridades do Hamas expressaram preocupação de que Netanyahu estivesse provocando o grupo a recusar a proposta a fim de invadir Rafah e culpar o Hamas pelo fracasso das negociações.

Espera-se que o grupo responda à proposta com uma contraproposta em vez de rejeitá-la imediatamente, segundo as autoridades egípcias.

Acompanhe tudo sobre:IsraelConflito árabe-israelenseGuerrasEgito

Mais de Mundo

“Davos in the Desert” arrives in Rio to search for opportunities between Brazil and Saudi Arabia

“Davos do deserto” chega ao Rio com foco nas oportunidades entre Brasil e Arábia Saudita

Eleições dos EUA terão semanas decisivas; entenda o que estará em jogo

Partido Conservador francês propõe aliança com extrema direita para eleições no Parlamento

Mais na Exame