Mundo

Protestos pró-palestinos em universidades dos EUA diminuem após prisões e discurso de Biden

Polícia de Manhattan expulsou um acampamento na Universidade de Nova York após o amanhecer

Um acampamento de protesto na Universidade de Los Angeles, Califórnia, foi expulso pela polícia em 3 de maio de 2024 (AFP)

Um acampamento de protesto na Universidade de Los Angeles, Califórnia, foi expulso pela polícia em 3 de maio de 2024 (AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 3 de maio de 2024 às 16h24.

Última atualização em 3 de maio de 2024 às 16h30.

Tudo sobreEstados Unidos (EUA)
Saiba mais

Os protestos pró-palestinos que abalaram os campi universitários dos Estados Unidos nos últimos dias começaram a diminuir nesta sexta-feira, 3, após uma série de operações policiais e uma mensagem firme do presidente Joe Biden para restaurar a ordem.

A polícia de Manhattan expulsou um acampamento na Universidade de Nova York após o amanhecer, e um oficial postou um vídeo nas redes sociais mostrando manifestantes saindo de suas barracas e se dispersando quando ordenados a fazê-lo por um alto-falante.

O cenário parecia relativamente calmo em comparação com as medidas repressivas em outras universidades do país – e algumas ao redor do mundo – onde os protestos contra a guerra de Israel em Gaza se multiplicaram nas últimas semanas.

As autoridades universitárias, que tentaram equilibrar o respeito pelo direito de protestar e a atenção às denúncias de violência e discurso de ódio, têm apelado cada vez mais à polícia para retirar os manifestantes antes das provas de final de ano e das cerimônias de formatura.

Mais de 2 mil prisões foram realizadas nos Estados Unidos nas últimas duas semanas, algumas durante confrontos violentos com a polícia, o que levou a acusações de uso excessivo da força por parte dos agentes.

O presidente Joe Biden, que tem enfrentado pressão de todos os lados políticos durante a guerra entre Israel e o Hamas, disse na quinta-feira que "a ordem deve prevalecer", nos seus primeiros comentários sobre os protestos.

"Não somos uma nação autoritária onde as pessoas são silenciadas ou a dissidência esmagada", disse Biden em um comunicado transmitido pela televisão na Casa Branca. "Mas também não somos um país sem lei. Somos uma sociedade civilizada e a ordem deve prevalecer".

Estas declarações surgiram horas depois de um grande contingente policial ter despejado à força um acampamento estudantil em Los Angeles e reprimido a multidão reunida nas redondezas.

Funcionários universitários disseram que mais de 200 pessoas foram presas.

Na quinta-feira, na costa oposta dos Estados Unidos, manifestantes da Universidade Rutgers, em Nova Jersey, concordaram em desmantelar o seu acampamento depois de chegarem a um compromisso com as hierarquias do estabelecimento, como aconteceu em outros centros educacionais.

A escala mundial

Os republicanos acusaram Biden de ser brando com o que consideram ser um sentimento antissemita entre os manifestantes, enquanto ele enfrenta oposição em seu próprio partido por seu forte apoio à guerra de Israel em Gaza.

"Não deveria haver lugar em nenhum campus, em nenhum lugar nos Estados Unidos para antissemitismo ou ameaças de violência contra estudantes judeus", disse Biden.

O secretário da Educação, Miguel Cardona, repetiu essas palavras em uma carta aos funcionários da universidade nesta sexta-feira e prometeu investigar relatos de atos de antissemitismo, segundo a CNN.

Enquanto isso, protestos estudantis semelhantes surgiram em todo o mundo, especialmente na Austrália, França, México e Canadá.

Em Paris, a polícia interveio para expulsar estudantes que organizavam uma manifestação pacífica na Universidade Sciences Po.

Na Universidade McGill, no Canadá, as autoridades do campus exigiram na quarta-feira o desmantelamento "sem demora" de um crescente acampamento estudantil. No entanto, até a manhã desta sexta-feira, a polícia ainda não havia tomado nenhuma providência sobre o assunto.

A guerra em Gaza começou quando milicianos do Hamas realizaram um ataque sem precedentes em Israel em 7 de outubro, que deixou mais de 1,17 mil mortos, a maioria civis, segundo uma contagem da AFP baseada em números oficiais israelenses.

A ofensiva de retaliação de Israel matou mais de 34,6 mil pessoas em Gaza, a maioria mulheres e crianças, segundo o Ministério da Saúde do território palestino.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Faculdades e universidadesPalestinaFaixa de GazaGuerras

Mais de Mundo

Brasil é 3º país mais inseguro da América do Sul, diz Global Peace Index

Candidato à presidência denuncia 'prisão arbitrária' de assistentes na Venezuela

Pequeno município no leste da China desenvolve indústria panificadora bilionária

Após escândalo com PwC na China, KPMG e EY assumem auditorias no país

Mais na Exame