Mundo

Israel continua bombardeando Gaza após novo pedido de cessar-fogo

Cerca de um milhão de palestinos fugiram quando as tropas israelenses avançaram para o centro e o oeste de Rafah, na fronteira com o Egito

Israel-Hamas: mediadores internacionais pedem cessar-fogo (Adel ZAANOUN con Cécile FEUILLATRE en Jerusalén /AFP Photo)

Israel-Hamas: mediadores internacionais pedem cessar-fogo (Adel ZAANOUN con Cécile FEUILLATRE en Jerusalén /AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 2 de junho de 2024 às 13h47.

Israel continua lutando contra o Hamas, bombardeando vários setores da Faixa de Gaza neste domingo, 2, inclusive Rafah, um dia depois que mediadores internacionais pediram que as partes em conflito aceitassem um acordo de cessar-fogo após quase oito meses de guerra.

Apesar da oposição da comunidade internacional, o exército israelense continua sua ofensiva em Rafah, uma cidade na parte mais ao sul do território palestino, lançada em 7 de maio com o objetivo declarado de destruir os últimos batalhões do Hamas.

Cerca de um milhão de palestinos fugiram quando as tropas israelenses avançaram para o centro e o oeste de Rafah, na fronteira com o Egito. “Os 36 abrigos em Rafah administrados pela Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA) ficaram vazios”, disse a agência.

Testemunhas disseram à AFP no domingo que viram veículos militares israelenses no oeste e no centro de Rafah, e relataram explosões, combates e disparos contínuos de drones e helicópteros. O Crescente Palestino disse que recebeu pedidos de ajuda de civis na cidade, mas que era “muito difícil” chegar até eles “devido ao contínuo bombardeio israelense”.

No norte de Gaza, três palestinos foram mortos, incluindo uma criança, em um bombardeio que destruiu sua casa na Cidade de Gaza, de acordo com uma fonte do hospital. As áreas de Deir al-Balah, Bureij e Nuseirat também foram alvos.

O exército relatou operações “direcionadas” em Rafah e no centro de Gaza. Nas últimas 24 horas, “30 alvos terroristas” foram atingidos, acrescentou.

“Finalizando o acordo”

A guerra estourou em 7 de outubro, quando os comandos do Hamas mataram 1.189 pessoas, a maioria civis, no sul de Israel, de acordo com um balanço da AFP baseado em dados oficiais israelenses.
Os milicianos também sequestraram 252 pessoas. Israel afirma que 121 continuam sequestradas em Gaza, dos quais 37 teriam sido mortas.

Em resposta, Israel prometeu “aniquilar” o Hamas e lançou uma ofensiva aérea e terrestre que até agora deixou 36.439 mortos em Gaza, de acordo com o Ministério da Saúde do território palestino, que é governado pelo movimento islamista.

Os mediadores do conflito, Catar, Estados Unidos e Egito, pediram no sábado que Israel e o Hamas “finalizem um acordo de trégua” com base em um plano apresentado pelo presidente dos EUA, Joe Biden.

O plano de três fases anunciado na sexta-feira, 31, por Biden, que ele disse ter sido proposto por Israel, começaria com uma trégua que incluiria a retirada das tropas israelenses das áreas povoadas de Gaza por seis semanas e a libertação de alguns reféns mantidos pelo Hamas em troca de prisioneiros palestinos.

O cessar-fogo temporário poderia se tornar “permanente” se o Hamas “respeitasse seus compromissos”, disse ele. A próxima fase incluiria a libertação dos reféns restantes e a retirada total do exército israelense de Gaza.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, lembrou que as “condições” para o fim da guerra incluem a “destruição” do Hamas e a “libertação de todos os reféns”.

O Hamas disse que acolheu "positivamente" o roteiro apresentado por Biden, reiterando que, antes que qualquer acordo pudesse ser alcançado, exigia um cessar-fogo permanente e a retirada total das forças israelenses.

Reunião no Egito

A ofensiva israelense causou uma catástrofe humanitária em Gaza, com risco de fome, disse a ONU.
A maioria dos 2,4 milhões de habitantes de Gaza foi deslocada, embora a ONU diga que não há mais nenhum lugar seguro no território sitiado.

De acordo com a mídia egípcia, uma reunião entre o Egito, os Estados Unidos e Israel está marcada para este domingo no Cairo, para discutir a passagem de Rafah, crucial para a entrada ajuda humanitária em Gaza e fechada desde que as forças israelenses assumiram o controle do lado palestino em 7 de maio.

De acordo com as autoridades israelenses, 764 caminhões de ajuda egípcia entraram em Gaza pela passagem de Kerem Shalom com Israel nesta semana. No entanto, as ONGs continuam a apontar que a ajuda nem sempre chega à população.

Acompanhe tudo sobre:IsraelHamasGuerras

Mais de Mundo

Kate Middleton faz primeira aparição oficial após diagnóstico de câncer; veja vídeo e fotos

Vazamento de petróleo em Singapura fecha praias de ilha turística

Como as eleições na França podem afetar as Olimpíadas — e vice-versa?

O que aconteceu com o Titan? Um ano após implosão, investigação ainda não foi concluída

Mais na Exame