Mundo

População é retirada e voos são suspensos no México devido à aproximação do furacão Beryl

Vários turistas foram evacuados de hotéis localizados na costa e outros tentavam sair da zona de impacto de carro, embora alguns seguissem em praias do país

 (Beryl/Divulgação)

(Beryl/Divulgação)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 5 de julho de 2024 às 06h44.

Centenas de turistas foram evacuados e dezenas de voos foram suspensos esta quinta-feira, horas antes do furacão Beryl atingir a costa mexicana no Caribe. Atualmente na categoria 2 em uma escala que vai até cinco,o furacão estava localizada a 345km de Tulum, uma cidade costeira turística a cerca de duas horas do conhecido balneário de Cancún, segundo o relatório mais recente do Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos.

O furacão, com ventos que chegaram a 175km/h e que deixou sete mortos ao passar pelas ilhas caribenhas e pela Venezuela, deverá impactar o território mexicano entre a noite desta quinta-feira e a madrugada de sexta-feira. Em seguida, entrará na Península de Yucatán, disse o NHC. Cerca de 100 voos nacionais e internacionais programados entre quinta e sexta-feira foram cancelados no aeroporto de Cancún, principal terminal aéreo do Caribe mexicano.

Em Tulum, onde o governo ordenou a suspensão das atividades a partir das 21h GMT (18h em Brasília) desta quinta-feira, a população reforçou a proteção dos seus negócios com tábuas de madeira, enquanto os supermercados fecharam as portas, observou uma equipa da AFP. Enquanto isso, o aeroporto de Tulum – município com cerca de 47 mil habitantes – suspendeu as operações durante a tarde.

Vários turistas foram evacuados de hotéis localizados na costa e outros tentavam sair da zona de impacto de carro. No entanto, alguns continuaram a desfrutar de um dia de sol na praia antes de se refugiarem nos seus alojamentos.

"Eles cancelaram nosso voo e tivemos que pagar por duas noites adicionais [em um hotel]. Temos algum medo, mas estamos convencidos de que as pessoas estão preparadas e sabem o que fazer", disse Virginia Rebollar, uma turista mexicana que viajou com três outros membros da família.

A Proteção Civil também ordenou a paralisação das atividades em Felipe Carillo Puerto e José María Morelos, no estado de Quintana Roo, zona onde se prevêem os maiores efeitos do ciclone. O exército mexicano enviou cerca de oito mil soldados para Tulum e anunciou que possui reservas de alimentos e 34 mil litros de água purificada para distribuir entre a população.

O governo mexicano estima que o Beryl impactará as costas mexicanas como um furacão de categoria 1 e passará pela Península de Yucatán e mais tarde entrará no Golfo do México. A expectativa é que ganhe força no mar para reentrar no território mexicano, no estado de Tamaulipas, no norte do país, na fronteira com o Texas.

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, disse anteriormente que um plano de contingência para aquela área está sendo elaborado. Beryl é o primeiro furacão da temporada atlântica, que vai do início de junho ao final de novembro, e impressionou os especialistas pela intensidade que adquiriu no fim de semana.

Os serviços meteorológicos dos EUA classificaram-no temporariamente como categoria 5, tornando-o o primeiro furacão dessa categoria registrado na temporada. Os cientistas acreditam que as alterações climáticas, ao aquecerem as águas oceânicas, favorecem estas tempestades, tornando-as mais propensas a intensificar-se rapidamente.

Danos no Caribe

O Beryl deixou pelo menos sete mortos, três em Granada, onde a tempestade atingiu a costa na segunda-feira, um em São Vicente e Granadinas e três na Venezuela, segundo autoridades locais. Quedas de energia e inundações foram relatadas nas Ilhas Cayman.

Ao passar pela Jamaica, Beryl deixou mais de 400 mil moradores sem eletricidade na quarta-feira. O rei Charles III disse estar “profundamente entristecido” pela destruição deixada pela tempestade, de acordo com um comunicado divulgado nesta quinta-feira pelo Palácio de Buckingham.

O primeiro-ministro de Granada, Dickon Mitchell, disse que a ilha de Carriacou ficou quase isolada, com casas, telecomunicações e instalações de combustível destruídas. O seu homólogo de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves, declarou que “90% das casas” foram destruídas em Union Island e alertou que a reconstrução exigiria um grande esforço.

O Escritório de Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) alertou no final de maio que a temporada parecia extraordinária, com possibilidade de quatro a sete furacões de categoria 3 ou mais. Estas previsões estão relacionadas, em particular, com o desenvolvimento esperado do fenômeno meteorológico La Niña, bem como com temperaturas muito elevadas no Oceano Atlântico, segundo a NOAA.

 

Acompanhe tudo sobre:MéxicoFuracõesClima

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame