Mundo

Furacão Beryl perde força, mas ainda causa destruição em Cancún com ventos de 175km/h

Por precaução, 348 voos programados entre quinta e sábado foram cancelados no aeroporto de Cancún; cerca de 2,2 mil pessoas buscaram refúgio em abrigos temporários

Furacão Beryl perde força, mas ainda causa destruição no México com ventos de 175km/h (RANDY BROOKS / AFP)/AFP)

Furacão Beryl perde força, mas ainda causa destruição no México com ventos de 175km/h (RANDY BROOKS / AFP)/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 5 de julho de 2024 às 17h19.

Última atualização em 5 de julho de 2024 às 17h37.

Tudo sobreFuracões
Saiba mais

O furacão Beryl atingiu a Península de Yucatán, no México, nesta sexta-feira, perto da cidade turística de Tulum, com ventos fortes causando danos materiais, mas sem feridos anunciados até esta tarde. A tempestade atingiu o local nas primeiras horas da manhã com ventos de até 175 km/h, derrubando árvores e postes de luz e arrancando telhas, de acordo com a autoridade de proteção civil do México.

Houve perda de eletricidade em pelo menos três municípios no estado de Quintana Roo, no sudeste do país, mesmo com a velocidade do vento diminuindo para cerca de 140 km/h à medida que Beryl se movia para o interior.

"De acordo com os relatórios iniciais, parece não haver perda de vidas, e isso é o que mais importa para nós", disse o presidente Andrés Manuel López Obrador em sua coletiva de imprensa diária.

A governadora de Quintana Roo, Mara Lezama, pediu aos moradores em um vídeo durante a noite que "por favor, fiquem em casa", e as aulas na região foram suspensas. Cerca de 2,2 mil pessoas buscaram refúgio em dezenas de abrigos temporários.

"Ainda estamos em alerta vermelho", disse a chefe da proteção civil, Laura Velazquez, com mais de 25,6 mil membros das forças de segurança e funcionários da agência de eletricidade CFE mobilizados para ajudar os moradores afetados e reparar os danos.

Por precaução, 348 voos programados entre quinta e sábado foram cancelados no aeroporto de Cancún, o maior terminal do Caribe mexicano.

"Temos algum medo"

O último relatório do Centro Nacional de Furacões de Miami disse que o Beryl enfraqueceu de um furacão de categoria 2 para categoria 1 — mais brando do que no início da semana, quando deixou um rastro de destruição no Caribe e na costa da Venezuela, matando pelo menos sete pessoas.

Ele acrescentou que "ventos perigosos com força de furacão, tempestades e ondas devastadoras" podem ser esperados "por mais algumas horas" em uma área que atrai milhões de turistas para suas praias caribenhas todos os anos. A agência de proteção civil do México informou na rede social X que Beryl causará "chuvas intensas [...] ventos intensos e ondas altas na península de Yucatán".

Centenas de turistas foram evacuados de hotéis ao longo da costa, enquanto alguns tentaram pegar ônibus na quinta-feira para sair da zona de impacto. O Exército mexicano, que enviou cerca de 8 mil soldados para Tulum, disse que tem suprimentos de comida e 34 mil litros de água purificada para distribuir à população.

"Depois que a rajada de vento passou, as pessoas começaram a chegar", disse Amairani Och, que administra um abrigo montado em uma escola que recebeu 290 pessoas até quinta-feira à noite.

Lucero Gazcon, uma aposentada de 67 anos, disse à AFP que estava grata pela "atenção maravilhosa" no abrigo, onde encontrou segurança com seu cachorro depois que eles foram forçados a deixar o apartamento. Virginia Rebollar, uma turista mexicana que viajou com três familiares para Tulum, disse que o voo deles foi cancelado e "tivemos de pagar por duas noites extras".

"Temos algum medo, mas estamos convencidos de que as pessoas estão preparadas e sabem o que fazer", acrescentou.

Em Cancún, a 2 horas de carro de Tulum, as pessoas estocaram alimentos e outros itens essenciais, e os hotéis fecharam as janelas com tábuas.

"Reintensificação" esperada

Beryl é o primeiro furacão, desde que os registros do NHC começaram, a atingir o nível de categoria 4 em junho e o primeiro a atingir a categoria 5, o nível mais alto, em julho. É extremamente raro que uma tempestade tão poderosa se forme tão cedo na temporada de furacões no Atlântico, que vai do início de junho ao final de novembro.

Cientistas dizem que as mudanças climáticas provavelmente desempenham um papel na rápida intensificação de tempestades como a Beryl, já que há mais energia em um oceano mais quente para elas se alimentarem. As águas do Atlântico Norte estão atualmente entre um e 3 graus Celsius mais quentes que o normal, de acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA (NOAA).

A previsão é que Beryl enfraqueça à medida que avança para o noroeste pela Península de Yucatán, mas "uma lenta reintensificação" é esperada à medida que ele entra no Golfo do México, em direção ao estado oriental de Tamaulipas, na fronteira com o Texas, de acordo com o NHC. Agências e autoridades no "nordeste do México e na costa inferior e média do Texas devem monitorar de perto o progresso do Beryl", alertou.

"Alertas de furacões e tempestades tropicais provavelmente serão emitidos para aquela região ainda hoje."

Acompanhe tudo sobre:FuracõesMéxicoCaribeMudanças climáticas

Mais de Mundo

Governadora de Massachusetts sugere a Biden que reconsidere candidatura

Bolívia é incorporada como membro pleno do Mercosul

Governo Biden anuncia repasse de US$ 47 milhões ao Fundo Amazônia

Reunião de Milei com governador de SC, e não com Lula, é prioritária para a Argentina, diz porta-voz

Mais na Exame