Fernando Lugo viaja à Caracas para funeral de Hugo Chávez

Lugo, que é candidato a senador pela Frente Guasú, anunciou em entrevista coletiva que o movimento declarou três dias de luto

Assunção - O ex-presidente do Paraguai Fernando Lugo estará presente no funeral do presidente venezuelano, Hugo Chávez, e afirmou nesta quarta-feira que o seu partido, Frente Guasú, declarou três dias de luto.

Lugo, que é candidato a senador pela Frente Guasú, anunciou em entrevista coletiva que o movimento declarou três dias de luto pelo falecimento de "um dos pais da soberania e da independência" na América Latina.

Nesse mesmo pronunciamento, Aníbal Carrillo - candidato a presidente pelo mesmo partido - anunciou que deve viajar com Lugo à Caracas para comparecer ao funeral de Chávez.

O ex-presidente, que sofreu impeachment no último dia 22 de junho, enalteceu o legado deixado por Chávez e sua contribuição para a unidade dos povos latino-americanos "resgatando a história e a dignidade dos libertadores do século 19, as lutas dos povos originários e também os grandes processos de independência e soberania da América Latina".

"A Frente Guasú declara três dias de luto ativo em que vai honrar o legado do presidente Hugo Chávez para a mudança e a dignidade dos humildes e pobres do Paraguai", disse Lugo.

"Ninguém no mundo poderá ignorar a liderança do presidente Chávez, que continua vivo na luta de todos os povos da América Latina", acrescentou.


Lugo contou com o apoio do falecido líder venezuelano e tentou, sem sucesso, conseguir a aprovação do Congresso paraguaio para a entrada da Venezuela no Mercosul.

Após sua destituição, o Mercosul suspendeu o Paraguai até o resultado das eleições de 21 de abril e, então, aprovou a entrada da Venezuela em uma cúpula no dia 29 de junho em Mendoza (Venezuela), da qual foi excluído o novo presidente do Paraguai, Federico Franco.

A Chancelaria se pronunciou ontem à noite sobre a morte de Chávez com um breve comunicado expressando suas "mais sentidas condolências" ao governo e ao povo da Venezuela e seus pêsames aos familiares.

Em declarações ontem à noite à emissora de rádio "Ñandutí", Franco reiterou suas "sinceras condolências aos familiares".

O presidente do Paraguai disse que seria "absolutamente respeitoso diante da seriedade da morte" evitando comentários, pois já fez as "denúncias em relação à maneira de governar do presidente Chávez quando ele ainda estava vivo".

Os dois países tiveram uma desavença diplomática no ano passado e expulsaram os embaixadores e funcionários de suas embaixadas. Na delegação venezuelana em Assunção, a bandeira foi hasteada hoje a meio mastro. EFE

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.