Familiares de Tamayo pedem que não haja represálias

Parentes do preso mexicano executado na noite passada no Texas, pediram que não haja represálias contra presos americanos em outros países

Huntsville - Os parentes do preso mexicano Edgar Tamayo, executado na noite passada no Texas, pediram nesta quinta-feira que não haja represálias contra presos americanos em outros países e pediram que a polêmica gerada pelo caso "acabe aqui".

Tamayo foi morto com uma injeção letal na noite de ontem na prisão de Huntsville, três horas depois do horário previsto, e depois que a Corte Suprema rejeitou o último recurso de seus advogados.

A execução aconteceu após uma forte polêmica internacional que coloca novamente na berlinda o estado do Texas, e em meio a protestos de organizações políticas e sociais que denunciaram que o preso não teve defesa legal adequada.

A tia de Edgar Tamayo, Grace Tamayo, pediu à comunidade mexicana que não faça represálias contra os norte-americanos nas prisões do México. "Isso precisa acabar aqui, eles não têm culpa do que está acontecendo aqui hoje", disse.

Gaby Domenzain, porta-voz das advogadas de Tamayo, disse ao concluir a execução que "não apenas o governador do Texas, Rick Perry, e o procurador do estado, Greg Abbott, faltaram com sua palavra, mas também faltaram com o respeito com a comunidade internacional, a mexicana, os Estados Unidos e o Texas".

A advogada Sandra Babcock, representante legal de Tamayo, disse que mais uma vez o estado do Texas "ignorou as leis dos Estados Unidos e os tratados internacionais", e reiterou que de ter contado com assistência consular durante seu julgamento, Tamayo "não tivesse sido condenado à morte".


"É necessário que o congresso dos Estados Unidos aja com prontidão na aprovação de uma lei que garanta o respeito à notificação consular, e que proporcione os mecanismos para fazer com que estados como o Texas revejam os casos dos mexicanos condenados à morte no país", ressaltou a advogada.

Tamayo não disse qualquer palavra antes de morrer e em nenhum momento dirigiu o olhar à família de sua vítima, que estava presente em uma sala ao lado à câmara de execução, segundo testemunhas.

Cinco familiares de Guy Gaddis, o policial de Houston assassinado em 1994 por Tamayo, foram testemunhar a execução.

O expediente do caso indica que Tamayo atirou no agente pelo menos três vezes, quando este, após detê-lo por assalto, o conduzia na unidade policial à prisão em Houston.

"Mandamos nossas condolências à família do Sr. Tamayo. Nós não pedimos que isso acontecesse, mas um júri decidiu assim. Portanto, fez-se justiça", disse Gary Gladis, irmão do policial assassinado por Tamayo.

Gary Gaddis enviou uma mensagem de inconformidade ao Secretário de Estado John Kerry, a quem advertiu que não deve intervir buscando impedir a aplicação da justiça em sua nação e no estado do Texas, em prol de cumprir com compromissos internacionais.

Ao sair da Unidad de las Paredes, em Huntsville, a mãe de Gaddis, Gayle Gaddis, agradeceu às organizações de policiais que os apoiaram nestes 20 anos, após o assassinato de seu filho, e disse que seu "coração despedaçado estará mais tranquilo a partir do dia de hoje".

Representantes do Consulado do México em Houston e da Secretaria de Relações Exteriores, que estiveram no exterior da Unidad de las Paredes da prisão no momento da execução, asseguraram que o governo mexicano esgotou todas as instâncias possíveis para salvar a vida a Tamayo.

Eles informaram, além disso, que ajudará a família Tamayo no traslado do corpo de Edgar Tamayo de Huntsville, Texas, a Morelos, México.

O preso mexicano foi executado com uma dose letal de Pentobarbital e, de acordo com as testemunhas da execução, se limitou a fechar os olhos e não qualquer barulho antes de morrer. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.