Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Faltas no trabalho pela ômicron são um novo teste para os EUA

As faltas generalizadas já estão restringindo a produção, e vários economistas começaram o novo ano rebaixando suas previsões para o primeiro trimestre

Por Shawn Donnan, Sarah McGregor e Mary Schlangenstein, da Bloomberg

Com a variante ômicron rapidamente se espalhando pelos EUA, a recuperação econômica está enfrentando uma nova ameaça: funcionários ausentes do trabalho por estarem contaminados.

O que começou como uma série de cancelamentos de voos de férias, quando pilotos e outros funcionários adoeceram ou foram forçados a ficar em quarentena, está se tornando uma realidade em fábricas, mercearias e portos e novamente testando as cadeias de suprimentos.

As faltas generalizadas já estão restringindo a produção, e vários economistas começaram o novo ano rebaixando suas previsões para o primeiro trimestre. Mesmo que o impacto seja temporário, como a maioria antecipa, as interrupções e fechamentos provavelmente retardarão a recuperação frágil em alguns setores e pesarão nos planos futuros das empresas.

Na Capital Economics, o economista sênior dos EUA Andrew Hunter calculou que mais de 5 milhões de trabalhadores foram forçados a ficar em casa na semana passada.

“As coisas provavelmente só vão piorar no curto prazo”, escreveu ele em uma nota aos clientes. Além disso, “a sabedoria convencional de que a ômicron não representa uma ameaça à economia pode se mostrar otimista demais”.

Faltas por doença “sem precedentes”

A escassez de funcionários continua a atrapalhar companhias aéreas, com a Alaska Airlines dizendo que um número “sem precedentes” de trabalhadores doentes fez com que 10% de seus voos fossem cancelados para o resto de janeiro.

A verdadeira questão para o setor é se isso fará com que as operadoras diminuam o crescimento planejado para 2022 caso a situação continue nos próximos meses, disse Conor Cunningham, analista da MKM Partners.

“Minha expectativa é de que outras companhias aéreas precisarão desacelerar o crescimento”, disse Cunningham.

Fechamento de lojas

Na Rodeo Drive, em Beverly Hills, os varejistas de luxo Gucci, Hermes e Louis Vuitton relataram casos entre os funcionários, de acordo com uma lista pública de Los Angeles. O Walmart fechou pelo menos 60 de suas lojas nos EUA para limpezas. As localizações da Apple foram fechadas temporariamente em dezenas de lugares, do Alabama à Flórida e Nova York.

Nos portos da Costa Oeste, que já enfrentam bloqueios de importações, 160 trabalhadores testaram positivo somente na quarta-feira, disse James McKenna, presidente da associação marítima do Pacífico.

Os atrasos de navios nos portos de Los Angeles e Long Beach, os mais movimentados do país, estão crescendo novamente, disse McKenna.

No setor automotivo, dirigentes sindicais e representantes de empresas disseram que o aumento de faltas por doença não afetou a produção da General Motors, Ford e Stellantis, proprietária das marcas Jeep e Ram.

Pode ser apenas uma questão de tempo. Scott Keogh, CEO da unidade dos EUA da Volkswagen, disse que era “100%” certo que a indústria estava prestes a enfrentar interrupções na produção devido à ômicron.

Embora economistas e investidores esperem que o impacto seja de curta duração, sua magnitude pode ser considerável. Mark Zandi, economista-chefe da Moody’s Analytics, cortou a previsão para o PIB anualizado do primeiro trimestre para perto de 2%, ante cerca de 5%. Mas ele também elevou sua previsão para o segundo trimestre, dizendo que as empresas e a economia estão mais bem preparadas para enfrentar essa nova onda.

“Não espero que o vírus subtraia de forma sustentável o crescimento econômico líquido este ano”, disse Zandi. Embora a ômicron possa, disse ele, afetar como o Federal Reserve vê a recuperação e age para aumentar as taxas de juros.

Dificuldades para restaurantes

A variante é outro golpe para setores como hospitalidade, que lutavam para voltar aos níveis de emprego pré-pandemia, disse Jerry Nickelsburg, diretor do corpo docente da UCLA Anderson Forecast. “Esses setores não vão se recuperar tão rápido quanto pensávamos.”

Marshall Weston, presidente e diretor executivo da associação dos restaurantes de Maryland disse que passou a semana atendendo ligações de membros que estavam fechando suas portas para sempre.

“A recuperação dos restaurantes parece estar caminhando para trás, em vez de avançar”, disse Weston.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também