EXAME Política: a transição nos EUA e os primeiros desafios de Biden

Enquanto a transição não anda, as atenções se voltam para a Georgia, que ainda definirá a maioria no Senado — e, consequentemente, o futuro governo Biden

Mesmo com a vitória de Joe Biden consumada há vários dias e já reconhecida (ainda que parcialmente) até mesmo por Donald Trump, a tradicional transição republicana entre o atual e o próximo governo continua inexistente. Acusando Biden de ter vencido a eleição de maneira ilegal, Trump faz de tudo para atrasar a chegada de Biden à Casa Branca, bloqueando recursos e, principalmente, acesso às informações da administração americana.

"Até agora a equipe do Biden não conseguiu contato com a equipe do Trump nem recebeu nenhuma informação de segurança nacional. Pelo menos a Kamala [Harris, vice de Biden] faz parte da Comissão de Segurança do Senado e sabe de algumas coisas", explica o jornalista Sérgio Teixeira Jr., correspondente da EXAME em Nova York, no último episódio do podcast EXAME Política — Temporada Eleições Americanas. "Talvez Trump deixe a Casa Branca no dia 20 de janeiro sem admitir o resultado da eleição."

Enquanto a transição não caminha, as atenções se voltam para o estado da Georgia — um dos mais decisivos e demorados na apuração. Por lá, os cidadãos terão um segundo turno em 5 de janeiro para definir qual partido assumirá as duas cadeiras do estado no Senado. A decisão afeta diretamente o futuro governo Biden já que, com um Senado controlado pelos republicanos, o democrata certamente terá mais dificuldade para governar.

"Para o grau de importância que essa eleição da Georgia ao Senado tem, ela é até muito cheia de problemas", destaca Maurício Moura, fundador do IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. "O sistema de votação é exatamente igual e pode suscitar os mesmos questionamentos da eleição presidencial. Além disso, quem optar pelo voto pelo correio, por exemplo, deverá votar durante as festas de fim de ano."

Pandemia

Com a chegada da segunda onda de covid-19, novas restrições de circulação devem ser implementadas em vários estados americanos. Ao mesmo tempo, as discussões sobre uma nova rodada de estímulo para salvar a economia nessa nova fase da pandemia seguem estacionadas no Senado, ainda republicano.

"Quanto mais o tempo passa, pior fica para o Biden. Se não houver um acordo sobre uma nova rodada de estímulo, o governo dele já larga atrasado", analisa Teixeira Jr., lembrando que o presidente eleito já discursou algumas vezes implorando que os americanos usem máscara. "Isso mostra que a comunicação do governo agora vai ser muito mais direta. Só essa nova postura já é uma mudança e tanto. Biden não pode determinar a obrigatoriedade do uso de máscara no país, porque isso é prerrogativa dos governadores, mas deve fazer campanhas nesse sentido."

Mediado pela editora de macroeconomia da EXAME, Fabiane Stefano, o podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras com os principais temas da eleição americana. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também