Mundo

EUA lamentam suspensão de referendo revogatório na Venezuela

O porta-voz americano disse que, "infelizmente", a decisão tomada pelo Poder Eleitoral demonstra a "polarização" no órgão

Venezuela: "Deixamos claras nossas preocupações sobre o processo democrático na Venezuela" (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

Venezuela: "Deixamos claras nossas preocupações sobre o processo democrático na Venezuela" (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

E

EFE

Publicado em 21 de outubro de 2016 às 18h26.

Washington - Os Estados Unidos lamentaram nesta sexta-feira a suspensão do processo do referendo revogatório contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e afirmaram que com ela o poder eleitoral venezuelano "bloqueou um importante direito constitucional" dos cidadãos do país.

"Estamos profundamente preocupados pela decisão do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela de deter o referendo revogatório. Achamos que, com isto, o CNE evita que o povo venezuelano exerça um importante direito constitucional", disse em entrevista coletiva diária o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby.

O porta-voz americano disse que, "infelizmente", a decisão tomada pelo Poder Eleitoral demonstra a "polarização" no órgão "e o ponto até o qual está sendo bloqueado o direito constitucional do povo venezuelano".

"Deixamos claras nossas preocupações sobre o processo democrático na Venezuela e o importante que é que os venezuelanos tenham direito a escolher seu futuro. Por isso, seguiremos pressionando para que haja um diálogo" entre o governo e a oposição que garanta uma via "mais próspera" para o país, concluiu Kirby.

Maduro fez nesta sexta-feira um pedido de paz e diálogo a todos os venezuelanos, especialmente ao antichavismo, após a suspensão do processo de referendo revogatório contra ele, a última opção para revogar seu mandato neste ano.

O CNE (Poder Eleitoral) decidiu na quinta-feira paralisar o processo de referendo ao acatar a decisão de vários tribunais regionais que alegaram que os opositores cometeram fraude para conseguir completar parte do processo.

Com isso, ficou suspensa a coleta de 20% dos apoios para a convocação do referendo, atividade que os opositores deveriam completar até a próxima semana.

A aliança opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) procura agora um consenso sobre as ações a serem tomadas para responder à decisão do Poder Eleitoral.

O chavismo, inclusive o próprio Maduro, disseram aos opositores desde o princípio que o referendo não seria realizado neste ano e denunciaram à Justiça milhares de irregularidades que supostamente foram cometidas no processo.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)ReferendoVenezuela

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame