• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

EUA ainda não tem planos de retomar diálogo econômico com China

Embora a equipe de Yellen e outros departamentos estejam em contato com representantes chineses, a expectativa por enquanto não é reiniciar as negociações formais de alto nível
 (Reuters/Aly Song)
(Reuters/Aly Song)
Por BloombergPublicado em 15/07/2021 08:30 | Última atualização em 14/07/2021 22:49Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Saleha Mohsin e Christopher Condon, da Bloomberg

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, e sua equipe não têm planos de retomar o diálogo econômico regular com a China que guiou os laços entre as duas nações durante os governos Bush e Obama. Por enquanto, a suspensão herdada da era Trump deve continuar.

Embora a equipe de Yellen e outros departamentos estejam em contato com representantes chineses, a expectativa por enquanto não é reiniciar as negociações formais de alto nível, segundo pessoas a par da situação.

Uma porta-voz do Tesouro dos EUA não comentou de imediato.

O desinteresse em reabrir canais ativos sob a presidência de Barack Obama reforça as evidências da postura mais dura do governo Joe Biden em relação à China, que aponta para uma deterioração contínua dos vínculos entre as duas maiores economias do mundo.

Várias medidas dos EUA nos últimos dias - como o planejado alerta para empresas americanas em Hong Kong, novos controles de importação para a região de Xinjiang e conversas sobre um acordo de comércio digital que excluiria o governo de Pequim - destacam que Biden planeja estender e até mesmo aprofundar a abordagem mais confrontadora do ex-presidente Donald Trump.

Autoridades do governo Biden dizem que a estratégia dos EUA é uma reação ao comportamento agressivo da própria China. Essa postura forçará escolhas difíceis para investidores e empresas no meio do que o próprio Biden descreveu como uma batalha decisiva do século 21 - e pode surpreender os que esperavam uma abordagem mais suave sob o presidente democrata.

Na segunda-feira, Yellen classificou a China entre os países que ameaçam a “ordem internacional baseada em regras” construída após a Segunda Guerra Mundial, juntamente com a Rússia e a Bielorrússia. As declarações foram feitas após uma reunião de ministros das Finanças do G20, enquanto a delegação chinesa participou remotamente, evitando o possível primeiro encontro entre Yellen e autoridades chinesas.

Em 2006, o então secretário do Tesouro Henry Paulson, durante o governo George W. Bush, lançou o chamado Diálogo Econômico Estratégico, que reunia ministros das Finanças, bancos centrais e funcionários do Ministério de Relações Exteriores - entre outros - duas vezes por ano. Isso teve seguimento como Diálogo Estratégico e Econômico anualmente depois que Obama se tornou presidente.

Essas conversas foram suspensas em 2018, depois de uma reunião do grupo no Departamento do Tesouro em 2017 sob o então secretário Steven Mnuchin, que não resultou em uma declaração conjunta.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Veja Também

Airbnb deixa de oferecer acomodações na China
Negócios
Há 11 horas • 2 min de leitura

Airbnb deixa de oferecer acomodações na China

Didi Global, dona da 99, vai deixar a bolsa de Nova York
Mercados
Há 18 horas • 3 min de leitura

Didi Global, dona da 99, vai deixar a bolsa de Nova York