Mundo

Escassez de poltronas atrasa produção de novos aviões

Gargalo é criado no dia a dia de companhias aéreas

Publicado em 29 de abril de 2024 às 11h35.

Última atualização em 29 de abril de 2024 às 12h13.

A falta de poltronas em aviões está afetando as cadeias de suprimento do setor, influenciando os planos das companhias aéreas de reformar as cabines e lançar novas aeronaves. Agora, fatores como regras de certificação mais estreitas e a escassez da mão de obra resultante da pandemia também atrasam a produção.

Neste momento, as companhias tentam apresentar novas cabines à medida que se recuperam das graves perdas sofridas durante a pandemia.

A alemã Lufthansa, por exemplo, apresentou em abril um novo conjunto de cabines para voos de longa distância. O pacote faz parte de um investimento de mais de R$ 13,5 bilhões que foi atrasado como resultado de problemas na cadeia de suprimentos.

Projetos de outras companhias aéreas, a exemplo do programa de mais de R$ 10 bilhões da Emirates, põem pressão sobre os fornecedores.

A fabricante francesa de motores Safran, também uma das maiores fornecedoras de poltronas do mundo, declarou na última sexta-feira, 26, que as entregas relativas à classe executiva caíram 25% no primeiro trimestre de 2024 devido ao fato de que algumas remessas foram adiadas para o segundo trimestre do ano.

Executivos da Boeing e da Airbus afirmaram nesta semana que a cadeia de suprimentos do setor se encontra limitada.

'Os fornecedores de assentos estão com capacidade reduzida. Muito disso é fornecido pelo comprador, mas mesmo assim isso atrasa um avião', declarou o presidente da Boeing, Dave Calhoun, aos investidores.

Segundo Mark Hiller, CEO da Recaro Aircraft Seating, maior fabricante de assentos de classe econômica do planeta, a escassez de eletrônicos para sistemas de entretenimento a bordo é outro fator que continua a dificultar as entregas de assentos.

Assim, o setor encontra-se com um gargalo produtivo, o qual se deve em parte à pandemia e em parte a dificuldades de produção. Por ora, resta esperar para ver quanto tempo levará para que a situação se normalize.

Com informações do Financial Times.

Acompanhe tudo sobre:AirbusBoeingAviaçãoAviõesLufthansaEmirates Airlines

Mais de Mundo

Novas pesquisas preveem vitória trabalhista histórica nas eleições britânicas

Líder do Hezbollah diz que 'nenhum lugar' de Israel estará a salvo em caso de guerra

Governo Milei nega 'pacto de impunidade' com Bolsonaro por foragidos do 8 de janeiro

União Europeia repreende sete países por desrespeito às regras financeiras do bloco

Mais na Exame