Mundo

Regulador da aviação nos EUA investiga 787 Dreamliner e 777 da Boeing

A agência confirmou a investigação após um artigo do jornal The New York Times que descreve as denúncias do engenheiro, com mais de 10 anos na empresa

Boeing: acompanhe a crise da companhia  (Samuel Corum/Getty Images)

Boeing: acompanhe a crise da companhia (Samuel Corum/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 9 de abril de 2024 às 20h36.

Tudo sobreBoeing
Saiba mais

A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) está investigando denúncias de um engenheiro da Boeing que diz que os modelos 787 Dreamliner e 777 têm defeitos de montagem que ameaçam a segurança, informaram fontes oficiais nesta terça-feira, 9.

“Relatos voluntários sem medo de represálias são um componente crítico na segurança da aviação”, declarou a FAA. “Estamos investigando em profundidade todos os apontamentos”.

A agência confirmou a investigação após um artigo do jornal The New York Times que descreve as denúncias do engenheiro, com mais de 10 anos na empresa.

Aeronave 'frágil'

Segundo o jornal, o profissional identificado como Sam Salehpour entrou em contato com a FAA para informar que a maneira como são montadas diferentes partes da fuselagem do Dreamliner poderia fragilizar o avião com o passar do tempo.

O engenheiro, indica o Times, afirma que essas seções “estão incorretamente unidas e podem se separar em pleno voo depois de milhares de voos”.

Salehpour, de acordo com um comunicado de seus advogados, acusa a Boeing de ignorar reiteradamente suas preocupações sobre segurança e controle de qualidade na fabricação do 787 e do 777.

Defesa

O fabricante rejeitou as acusações. “No caso da frota em serviço, análises amplas da Boeing e FAA determinaram que não há preocupações atualmente sobre a segurança de voo” dessas aeronaves, alegou a empresa.

São acusações “infundadas”, acrescentou a Boeing, no olho do furacão por uma série de incidentes entre os quais o que mais repercutiu recentemente foi a soltura de uma porta em um avião da Alaska Airlines em pleno voo. O 737 MAX precisou fazer um pouso de emergência.

Acompanhe tudo sobre:BoeingBoeing 777

Mais de Mundo

Rússia acusa Otan de 'incitar' Ucrânia a prolongar o conflito

Comunidade LGBTQIA+ enfrenta 'aumento alarmante' nas restrições à liberdade de expressão, diz ONG

Democratas americanos pedem investigação judicial sobre preços fixos na indústria petrolífera

Partido de opositor de Netanyahu propõe dissolução do Parlamento israelense

Mais na Exame