EFE enfrenta crise e promove demissões

Madri - A principal agência de notícias espanhola, EFE, que enfrenta dificuldades financeiras, começou a enviar nesta terça-feira cartas de demissão a cerca de 25 funcionários, afirmaram fontes sindicais. A EFE emprega em torno de 1 mil pessoas na Espanha, entre elas 650 jornalistas. Uma porta-voz da agência confirmou nesta terça-feira à AFP o envio […]
 (EXAME.com)
(EXAME.com)
D
Da RedaçãoPublicado em 22/06/2010 às 17:01.

Madri - A principal agência de notícias espanhola, EFE, que enfrenta dificuldades financeiras, começou a enviar nesta terça-feira cartas de demissão a cerca de 25 funcionários, afirmaram fontes sindicais.

A EFE emprega em torno de 1 mil pessoas na Espanha, entre elas 650 jornalistas. Uma porta-voz da agência confirmou nesta terça-feira à AFP o envio das cartas de demissão, mas não informou o número de pessoas que poderão ser afetadas.

A agência pública espanhola, muito presente na América Latina, sofreu, em 2009, prejuízos de 1,6 milhão de euros. Na Espanha, compete com a agência Europa Press.

Para 2010, a EFE prevê um ano muito difícil e pretende reduzir seus gastos, sobretudo os salários, que representam 70% das despesas.

As demissões previstas respondem a "motivos econômicos e à rejeição dos sindicatos em aceitar uma redução média dos salários de 4,5%", proposta pela direção para fazer frente à crise, em troca da garantia de emprego por três anos, informou o porta-voz.

A EFE, além da queda nas receitas, sofreu em 2010 uma redução de mais de 2 milhões de euros da contribuição do Estado espanhol, que representa 40% de suas receitas (em torno de 100 milhões de euros em 2009).

Os empregados da EFE fizeram greve durante dois dias no fim de abril para se opor à redução dos salários propostos pela direção para 2010, 2011 e 2012.