Mundo

Croácia homenageia como herói general que se matou no julgamento

Praljak se suicidou ingerindo veneno enquanto o Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia confirmava sua sentença de 20 anos de prisão

Praljak: ele foi condenado por crimes de guerra cometidos contra muçulmanos bósnios em 1993 e 1994 na Bósnia-Herzegovina (Reprodução/Reuters)

Praljak: ele foi condenado por crimes de guerra cometidos contra muçulmanos bósnios em 1993 e 1994 na Bósnia-Herzegovina (Reprodução/Reuters)

E

EFE

Publicado em 11 de dezembro de 2017 às 17h33.

Zagreb - Um criminoso de guerra foi homenageado nesta segunda-feira como um herói em Zagreb, em um ato público lotado com a presença de membros do governo croata e do Exército, uma mostra da dificuldade deste membro da UE de assumir sua responsabilidade pelos crimes cometidos na antiga Iugoslávia.

O homenageado era o general Slobodan Praljak, condenado por crimes de guerra cometidos contra muçulmanos bósnios em 1993 e 1994 na Bósnia-Herzegovina e que no último dia 29 de novembro se suicidou ingerindo veneno enquanto o Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia (TPII) confirmava sua sentença de 20 anos de prisão.

Mais de duas mil pessoas, muitas delas ex-combatentes da Bósnia-Herzegovina, compareceram hoje à homenagem organizada pela Associação de generais croatas na Vatroslav Lisinski, uma das principais salas de concertos de Zagreb.

Na entrada, o púbico fazia fila para poder assinar no livro de condolências. Muitos deles cumprimentaram Dario Kordic, outro ex-comandante das forças bósnio-croatas e que foi também condenado a 25 anos de prisão pelo TPII como responsável pelo assassinato de mais de cem civis.

Após cumprir dois terços da pena, Kordic retornou à Croácia onde, assim como Praljak, é considerado por muitos um herói nacional.

Entre os presentes no ato estiveram dois ministros croatas, o de Veteranos de Guerra e o de Defesa, junto líderes da conservadora União Democrática Croata, o partido do primeiro-ministro, Andrej Plenkovic.

Embora não estivesse presente, Plenkovic denunciou há duas semanas que o suicídio de Praljak se deveu à "injustiça" contra o povo croata.

Dentro da sala, um retrato de Praljak, sorridente, junto a um círio com a bandeira croata, dominava o palco, onde houve discursos, leituras de poesias patrióticas, interpretação de canções e, finalmente, do hino nacional croata.

"Era um homem perfeito em tudo e por tudo; nunca verei igual", afirmou Miroslav Tudjman, filho do primeiro presidente croata, Franjo Tudjman, quando se referiu a Praljak.

Os discursos apresentaram o general como uma vítima de um tribunal politizado, que acusou croatas para equiparar o nível de culpa entre diferentes povos balcânicos e que usou provas falsas.

O general reformado Pavao Miljavac, ministro de Defesa da Croácia entre 1998 e 2000 e presidente da Associação de generais croatas, definiu Praljak como um "personagem extraordinário", "uma pessoa com vontade de ferro"; "alguém de coração aberto e alma pura" que "salvou seu povo de ser expulso do território no qual tinha vivido durante séculos".

Frente a essa amável descrição, o TPII concluiu que Praljak foi responsável por crimes contra a humanidade, violações das leis e costumes de guerra e de graves violações das Convenções de Genebra de proteção de vítimas dos conflitos.

Como comandante do "Conselho Croata de Defesa", a formação militar dos croatas da Bósnia, o general foi responsável, entre outros crimes, pelo massacre de Stupni Do.

Lá, em 1993, 40 civis muçulmanos foram assassinados e as mulheres previamente estupradas.

Segundo o veredicto do TPII, Praljak serviu como conexão entre os líderes da Croácia e os da "Herzeg-Bósnia", a entidade rebelde bósnio-croata na qual, através de limpezas étnicas, se tentou criar um território de população majoritariamente croata para, possivelmente, anexá-lo depois à Croácia.

Acompanhe tudo sobre:Criminosos de guerraCroáciaSuicídio

Mais de Mundo

Câmara baixa do Arizona aprova revogação de lei do século XIX que veta aborto em todos os casos

Premiê da Espanha enfrenta crise política após sua mulher ser investigada por corrupção

TikTok diz que recorrerá à Justiça após lei que pode proibi-lo nos EUA

EUA promete enviar ajuda militar à Ucrânia 'nas próximas horas'

Mais na Exame