Cresce o número de suicídios no Nepal 3 meses após terremoto

Investigações mostram que a maioria das pessoas que comete suicídio perdeu a família, amigos íntimos, a casa ou o emprego após o terremoto

Katmandu - O número de pessoas que tiram a própria vida subiu no Nepal, com um aumento do 41,24% nos três meses posteriores ao terremoto que castigou o país em abril, em comparação aos três meses anteriores, informou nesta quinta-feira a polícia do país.

Ao todo, 965 casos foram registrados entre metade de janeiro e metade de abril deste ano, enquanto da segunda metade de abril a primeira quinzena de julho foram contabilizados 1.363 suicídios, de acordo com o relatório policial apresentado em Katmandu.

"Nossas investigações mostram que a maioria das pessoas que comete suicídio perdeu a família, amigos íntimos, a casa ou o emprego após o terremoto. Os desafios sociais aumentaram depois da tragédia e parece que aqueles que não conseguiram superar a situação estão se suicidando", disse à Agência Efe o diretor geral adjunto da Polícia do Nepal, Mingmar Lama.

Enforcamento, envenenamento, corte com objetos afiados e afogamento foram algumas das formas mais usadas, de acordo com o documento.

"É preciso dar alívio adequado e consolo psicológico para as pessoas em risco. Isso precisa ser feito para prevenir futuras privações e perdas potenciais por suicídio", disse à Agência Efe o presidente da Sociedade de Saúde do Nepal (NHS), Rishi Ojha.

Durante o ano fiscal 2014-15, de 16 de julho a 15 de julho, 4.332 casos de suicídio foram registrados no Nepal, mais do que as mortes por acidentes (1.573) ou em crimes (606), segundo os dados policiais.

De acordo com o governo do Nepal, o terremoto de 25 de abril deixou 8.898 pessoas mortas e 22.309 feridas, assim como danos em quase 900 mil imóveis.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.