Covid-19: Rússia quer iniciar vacinação em massa em outubro

De acordo com o governo russo, a meta é vacinar primeiro profissionais de saúde e professores

A Rússia pretende iniciar em outubro uma vacinação ampla contra covid-19 para a população. O plano foi anunciado neste sábado pelo ministro da Saúde russo, Mikhail Murashko, segundo as agências de notícias internacionais. Ele indicou que a ideia é vacinar primeiro profissionais de saúde e professores.

No início desta semana, autoridades russas indicaram que uma vacina russa, em desenvolvimento pelo Instituto Gamaleya, de Moscou, deveria ser registrada até meados de agosto, permitindo a vacinação de forma mais abrangente. O governo russo prevê 200 milhões de doses produzidas neste ano.

Segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins, a Rússia registrou até agora 843 mil casos de infecção pelo novo coronavírus e 14 mil mortos, sendo o país com o quarto maior número de infectados e na 11ª colocação na lista das nações com o maior número de mortos.

Em todo o mundo, a universidade computa um total de 17,62 milhões de casos de covid-19, dos quais 4,56 milhões nos EUA, o país com o maior número de infectados, seguido pelo Brasil, com 2,66 milhões, e pela Índia, com 1,69 milhão. O número de mortes totaliza 680,5 mil, sendo 153,39 mil registradas nos EUA, 92,47 mil no Brasil e 46,68 mil no México.

Nesta semana, o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que é “muito prematuro” para dizer se o governo de São Paulo avalia uma possível associação com o governo russo para a produção de uma vacina contra o novo coronavírus em parceria com o Instituto Gamaleya. Covas afirmou que a vacina “não está em fase final de desenvolvimento”.

Segundo informações da agência de notícias Bloomberg, o instituto russo responsável pela produção da vacina ainda não publicou os resultados relacionados aos testes da terapia de imunização e que teriam ocorrido em somente 40 pessoas. Por este motivo, há uma certa de desconfiança de órgãos de saúde em relação à vacina russa.

Baseada no adenovírus humano fundido com a espícula de proteína em formato de coroa que dá o nome ao coronavírus, a vacina russa prende às células humanas e injeta material genético para se replicar até causar o que é chamado de apoptose, que seria a morte celular.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE