Mundo

Coreia do Sul debate criar ministério para aumentar nascimento de bebês

Presidente Yoon Suk Yeol pretende reverter a queda na taxa de natalidade no país, diante de uma ameaça de crise demográfica

O presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk Yeol (AFP/AFP Photo)

O presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk Yeol (AFP/AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 9 de maio de 2024 às 17h08.

Tudo sobreCoreia do Sul
Saiba mais

O presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk Yeol, afirmou nesta quinta-feira que deseja criar um novo ministério para reverter a queda na taxa de natalidade no país asiático, ameaçado por uma crise demográfica.

"Peço a cooperação do Parlamento para revisar a organização do governo e criar um Ministério do Planejamento contra a baixa taxa de natalidade", declarou em um discurso à nação.

O governo investiu bilhões de dólares para incentivar o aumento da taxa de natalidade, mas em 2023 o país registrou apenas 230.000 nascimentos, o menor número desde o início da série estatística em 1970.

A taxa de fecundidade (o número de filhos que se espera que uma mulher deve ter) caiu para 0,72, longe dos 2,1 necessários para manter a população atual de 51 milhões de habitantes.

O resultado deixa a Coreia do Sul como o país com a menor taxa da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e também como a nação onde as mulheres têm o primeiro filho mais tarde, com 33,6 anos em média.

A baixa taxa de natalidade combinada com a longa expectativa de vida dos sul-coreanos, uma das mais elevadas do mundo, gera uma ameaça de crise demográfica no país.

Os bilhões de dólares destinados a subsídios econômicos para os pais, serviços de cuidados infantis e ajudas para tratamentos contra a infertilidade não conseguiram conter o declínio.

Acompanhe tudo sobre:Taxa de natalidadeCoreia do Sul

Mais de Mundo

Chanceler israelense ameaça Hezbollah libanês com 'guerra total'

Alemanha alerta risco de ataques terroristas semelhantes ao de Moscou

Sob críticas da Otan, Putin desembarca na Coreia do Norte para estreitar parceria 'estratégica'

Milei perde apoio em 18 de 24 municípios da Grande Buenos Aires, mostra pesquisa

Mais na Exame