Casos de malária aumentam na Venezuela e preocupam o Brasil

Migrantes venezuelanos que deixam o país devido à crise econômica e social têm levado a doença para o Brasil e outras partes da América Latina

Genebra - A malária está se espalhando rapidamente pela Venezuela, com mais de 406 mil casos registrados em 2017, um aumento de 69 por cento em relação ao ano anterior, a maior taxa de aumento no mundo todo, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira.

Migrantes venezuelanos que deixam o país devido à crise econômica e social têm levado a doença para o Brasil e outras partes da América Latina, de acordo com a agência da ONU, que fez um apelo às autoridades para que ofereçam diagnóstico e tratamento gratuitos independentemente da situação legal deles para evitar que a doença se espalhe ainda mais.

"Nas Américas, não é apenas a Venezuela. Na verdade estamos registrando aumentos nos números em outros países. A Venezuela, sim, é uma preocupação significativa, a malária está aumentando e está aumentando de uma maneira bastante preocupante", disse o diretor do programa global de malária da OMS, Pedro Alonso, a repórteres.

A Venezuela enfrenta uma grave crise que resultou em hiperinflação e escassez de alimentos e medicamentos, no quinto ano de uma recessão que o governo do presidente Nicolás Maduro diz ser resultado das hostilidades do Ocidente e da queda no preço do petróleo.

Autoridades venezuelanas registraram 240.613 casos de malária em 2016, muitos deles no Estado de Bolívar, na fronteira com a Guyana, com 280 mortes, de acordo com a OMS.

A estimativa de 2017 saltou para 406 mil casos - cinco vezes mais do que em 2013.

"O que estamos vendo agora é um aumento em massa, provavelmente chegando perto de meio milhão de casos por ano. Esse é o maior aumento reportado em qualquer lugar do mundo", disse Alonso.

Segundo ele, a falta de recursos e campanhas ineficientes de combate à malária são responsáveis pelo aumento dos casos. A OMS e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) estão trabalhando com autoridades venezuelanas para enfrentar o problema, acrescentou.

"Estamos vendo, inclusive por causa da movimentação populacional, casos entre migrantes venezuelanos aparecendo em outros países -- no Brasil com certeza. Mas também em Colômbia, Equador e em vários outros lugares", afirmou Alonso.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.