Blinken pede investigação sobre morte de jornalista palestina

Israel anunciou no sábado que investigará a ação de seus agentes durante o enterro da jornalista
Antony Blinken, secretário de Estado americano (TOM BRENNER / POOL/AFP)
Antony Blinken, secretário de Estado americano (TOM BRENNER / POOL/AFP)
Por AFPPublicado em 15/05/2022 12:03 | Última atualização em 15/05/2022 12:03Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O secretário de Estado dos Estados Unidos (EUA), Antony Blinken, pediu uma investigação "confiável" sobre a morte da jornalista palestina Shireen Abu Akleh, que faleceu na quarta-feira ao ser atingida por um tiro na Cisjordânia ocupada, depois de expressar condolências à família.

A jornalista do canal Al Jazeera morreu na quarta-feira ao ser atingida por um tiro quando cobria uma operação militar israelense na Cisjordânia ocupada.

Durante o voo no sábado para Berlim para participar em uma reunião de ministros das Relações Exteriores da Otan, Blinken expressou pêsames em uma ligação para a família de Shireen Abu Akleh, informou uma fonte do Departamento de Estado.

O secretário de Estado americano, que conversou com o irmão da jornalista, citou a "necessidade de uma investigação imediata e confiável sobre as circunstâncias da morte" de Abu Akleh, afirmou à imprensa em Berlim.

Blinken destacou o trabalho da repórter, "respeitada em todo o mundo", assim como "a importância de uma imprensa livre e independente".

O secretário de Estado também ofereceu o apoio dos diplomatas americanos em Jerusalém à família de Abu Akleh, que também tinha cidadania americana, informou o Departamento de Estado.

Abu Akleh morreu ao ser atingida por um tiro na cabeça quando cobria uma operação militar israelense no campo de refugiados de Jenin, na Cisjordânia ocupada.

A Al Jazeera afirma que Israel atirou a "sangue frio. O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, disse em um primeiro momento que a repórter "provavelmente" morreu ao ser atingida por tiros de combatentes palestinos.

Mas algumas horas depois, o ministro da Defesa, Benny Gantz, disse que o exército israelense "não tinha certeza" da procedência do tiro.

No funeral de sexta-feira, o caixão de Shireen Abu Akleh quase caiu durante uma operação das forças de segurança israelenses.

Israel anunciou no sábado que investigará a ação de seus agentes durante o enterro da jornalista.