Mundo

Austrália começa a recrutar estrangeiros para Forças Armadas; veja regras

Residentes permanentes de Estados Unidos, Canadá e Reino Unido poderão fazer parte das Forças Armadas australianas

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 4 de junho de 2024 às 06h35.

Em uma decisão inovadora que visa combater a escassez de pessoal e fortalecer suas capacidades militares, a Austrália está abrindo as portas para que residentes permanentes de países aliados se juntem às suas Forças de Defesa Australianas (ADF). Anunciada na Estratégia de Defesa Nacional de abril e detalhada em 4 de junho, a medida representa uma mudança significativa na política de recrutamento militar do país, tradicionalmente restrita a cidadãos australianos. As informações são da Bloomberg.

A partir de julho, neozelandeses residentes na Austrália poderão se candidatar à ADF, seguidos por residentes permanentes do Reino Unido, EUA, Canadá e países do Pacífico em janeiro de 2025. Essa medida visa atrair talentos qualificados e experientes para suprir as necessidades das Forças Armadas australianas, que enfrentam desafios de recrutamento em um mercado de trabalho aquecido.

Olho na China

A iniciativa surge em um momento de crescente tensão na região Ásia-Pacífico, com a ascensão militar da China e a intensificação das atividades no Mar da China Meridional. A Austrália, um aliado próximo dos Estados Unidos, busca fortalecer suas capacidades de defesa para deter a expansão militar chinesa e garantir a segurança regional.

Em 2023, um relatório do governo australiano alertou que as Forças Armadas do país não estavam "adequadas para o propósito" no atual ambiente estratégico.

A escassez de pessoal, especialmente em áreas especializadas, representa um obstáculo significativo para a modernização e o aprimoramento das capacidades militares australianas.

Para se candidatar à ADF sob o novo programa, os residentes permanentes devem atender a critérios específicos, incluindo:

    • Residência permanente na Austrália por pelo menos 12 meses;
    • Ausência de serviço militar em exércitos estrangeiros nos últimos dois anos;
    • Capacidade de obter a cidadania australiana;
    • Atender aos padrões de entrada e requisitos de segurança da ADF.

O exército australiano também está simplificando o atual Esquema de Recrutamento Lateral no Exterior, que permite a contratação de militares experientes de outros países para preencher lacunas de capacidade.

A abertura das Forças Armadas australianas para estrangeiros representa um passo estratégico importante para fortalecer a defesa do país e garantir a segurança regional. Através da captação de talentos qualificados e experientes de países aliados, a Austrália busca modernizar suas capacidades militares e se posicionar como uma força de dissuasão eficaz na região Ásia-Pacífico.

Embora a medida tenha sido elogiada por alguns como uma forma inovadora de abordar a escassez de pessoal, outros levantaram preocupações sobre a segurança e a integração cultural dos novos membros. O governo australiano garante que os candidatos serão submetidos a rigorosos processos de triagem e integração para garantir a segurança e a coesão das Forças Armadas.

Acompanhe tudo sobre:AustráliaChinaEstados Unidos (EUA)Reino UnidoÁsiaCanadáGuerras

Mais de Mundo

Foto inédita de William com os filhos, tirada por Kate, é publicada para celebrar Dia dos Pais

Exército israelense anuncia pausa diária nas operações em uma região de Gaza

Cúpula pela paz na Suíça reafirma integridade da Ucrânia, mas pede negociações com a Rússia

Brasil é 3º país mais inseguro da América do Sul, diz Global Peace Index

Mais na Exame