América Latina precisa de menos financiamento, diz Moody's

Diminuição do déficir fiscal fez a região diminuir em 6,3% a necessidade de financiamento para 2011

Nova York - A necessidade de financiamento por parte dos Governos da América Latina e do Caribe será este ano de US$ 384 bilhões, 6,3% menos que os US$ 410 bilhões requeridos em 2010, segundo um relatório divulgado hoje pela Moody's.

Essa agência de classificação de risco analisou 13 países da América Latina e o Caribe, que geram 95% do Produto Interno Bruto (PIB) da região, e deduziu que seus níveis de financiamento continuam uma tendência "estável ou de melhoria" desde 2009.

Isso é devido à redução de seus respectivos déficits fiscais, graças a que a região está "deixando para trás o pior da crise financeira", assegura Moody's em seu relatório.

Segundo seus cálculos, o financiamento que a região precisa ronda 5,8% de seu PIB, comparado com 9,2% de 2009, uma pronunciada queda que a agência de qualificação atribui ao aumento do PIB nominal da maioria dos países da região.

A Moody's prevê um "contínuo crescimento econômico" para a região e destaca o aumento da arrecadação de fundos por parte dos Governos na América Latina, por isso que prevê "bons níveis de necessidade de financiamento no futuro para a região".

Para contribuir para essa necessidade de financiamento, este ano América Latina e Caribe emitirá dívida externa abaixo dos US$ 12 bilhões e continuará assim com a tendência de baixa dos últimos anos.

Em relação à situação concreta de Brasil e México, a Moody's destaca que têm "múltiplas fontes" para arrecadar fundos, tanto nos mercados internacionais como dentro do país.

O relatório assegura que o Peru se destaca entre seus vizinhos latino-americanos por sua reduzida necessidade de financiamento, que este ano rondará 0,5% de seu PIB, comparado com outros países da região, como o México, que em 2011 vai precisar financiar 11,1% de seu PIB.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.