A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

11 dissidentes das Farc morrem em operação militar na Colômbia

De acordo com os militares, os dissidências das Farc estariam envolvidos na morte e sequestro de militares e civis

Onze dissidentes das Farc morreram em combates com o Exército em uma zona do sul da Colômbia, onde a já dissolvida guerrilha exercia influência - informou o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas, nesta segunda-feira (28).

Os confrontos aconteceram no domingo à noite no município de Montañita, no departamento de Caquetá, onde tropas militares lançaram uma operação antiextorsão.

Houve "11 mortos e dois feridos, incluindo um menor de idade recrutado à força", declarou Villegas a emissoras locais.

Os 13 faziam parte do grupo dirigido por "Rodrigo Cadete", que agia como comando médio da ex-guerrilha comunista e que não aderiu ao processo de paz firmado em novembro de 2016.

Segundo o ministro, a organização vinha ameaçando Andrés Perdomo, prefeito de Florencia, capital de Caquetá, e a empresa de energia dessa região.

"Os criminosos vinham exigindo pagamentos dos comerciantes da capital do departamento de Caquetá e da comunidade das zonas rurais", acrescentou o Exército em um comunicado.

Sem um comando unificado, as dissidências das Farc operam em vários pontos do país e, segundo o Exército, contam com cerca de 1.200 combatentes.

Em razão do sequestro e do assassinato de uma equipe equatoriana de imprensa na fronteira, reivindicado pela frente "Oliver Sinisterra", as autoridades colombianas intensificaram a perseguição contra os rebeldes que não aderiram aos acordos de Havana.

"Não baixaremos a guarda contra os grupos residuais. Continuaremos a combatê-los com toda contundência", tuitou o presidente Juan Manuel Santos.

Segundo a Inteligência militar, os dissidentes estariam envolvidos na morte de dezenas de militares e civis, assim como no sequestro e no desaparecimento de militares.

Cadete, em particular, é apontado como tendo vínculos com o tráfico de cocaína.

Embora o pacto de paz tenha diminuído sensivelmente a intensidade do conflito colombiano, ainda operam os rebeldes guevaristas do Exército de Libertação Nacional (ELN) e grupos armados do narcotráfico.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também