Mulher que gere fundos levará 2 séculos para ter mesmo status que homem

O ritmo em que mulheres assumem postos em gestão de fundos tem sido “extremamente lento”, mostra pesquisa da Citywire

Mulheres que administram fundos de investimento levarão dois séculos para conquistar o mesmo status que os homens no atual ritmo de promoção, segundo pesquisa da Citywire.

O ritmo em que mulheres assumem postos em gestão de fundos tem sido “extremamente lento”: existem apenas 1.762 mulheres entre os 16.018 gestores de fundos ativos do mundo, de acordo com o relatório. O número representa cerca de 11% em comparação com pouco mais de 10% há quatro anos, mostra a pesquisa.

Empresas de gestão de fundos sofrem pressão cada vez maior de clientes para melhorar a diversidade. Muitas nos Estados Unidos e na Europa são obrigadas a fornecer dados sobre categorias de gênero, de acordo com o relatório. Dos US$ 15 trilhões em ativos no banco de dados da Citywire, apenas US$ 2,9 trilhões são administrados por mulheres, equipes exclusivamente femininas ou uma equipe de mulheres e homens.

Rotatividade também é um problema, com 42% das gestoras de fundos tendo mudado de cargo na última década, em comparação com 27% dos homens, segundo a pesquisa. Fatores que incluem cultura da empresa, trabalho flexível e licença-maternidade contribuem para a alta rotatividade, disse o relatório.

O The Times of London divulgou a pesquisa anteriormente.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.