Marketing
Acompanhe:

Procurando presente com entrega rápida? Amaro faz delivery em até 3 horas

O recurso representa uma redução e tanto em relação à média dos pedidos da companhia, que são entregues em 1.6 dia

Amaro: delivery em três horas está disponível para seis regiões (Amaro/Divulgação)

Amaro: delivery em três horas está disponível para seis regiões (Amaro/Divulgação)

K
Karina Souza

Publicado em 24 de dezembro de 2022, 13h27.

Última atualização em 24 de dezembro de 2022, 13h27.

Na correria dos presentes de Natal, não é incomum que a memória atrapalhe e, vez ou outra, um acabe ficando para a última hora. De olho em capturar parte da demanda que as festas de fim de ano trazem para presentear, a Amaro faz, desde o início de dezembro, entrega de produtos em até três horas, acelerando a já famosa logística rápida característica da marca.

O recurso está disponível para as cidades de Campinas, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Porto Alegre, Recife, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo e representa uma redução e tanto em relação à média dos pedidos da companhia, que são entregues em 1.6 dia. Para identificar os produtos disponíveis para entrega rápida, é necessário encontrar o selo "Receba Hoje" tanto no aplicativo quanto no site.

Além da entrega mais rápida, a empresa também implementou neste mês a retirada nas lojas físicas (chamadas de Guide Shops) em até 30 minutos -- este sim, um recurso disponível para todo o Brasil. A companhia segue expandindo a malha de lojas físicas pelo país: no ano passado, inaugurou sete novos pontos nas capitais e, até o fim deste ano, vsai ter inaugurado seis novas lojas. No total, são 21 lojas físicas em 14 cidades.

Questionado a respeito dos planos de expansão -- diante de uma concorrência de marcas estabelecidas no varejo físico do país -- Dominique Oliver, CEO da Amaro, afirma que os investimentos da Amaro em expansão no mundo físico não a devem tornar, no futuro, uma concorrente como as demais. Não está nas metas da companhia "ter 500 lojas pelo Brasil". "O foco é estar presente nos principais centros urbanos do país. Sempre vamos ser muito mais digital do que físico e nosso app sempre vai ser o ponto focal do relacionamento", diz.

A respeito do investimento para tornar os novos recursos uma realidade, Oliver explica, sem dizer valores, que foram estruturados em três frentes: abertura de loja propriamente dita, o tempo das equipes de tecnologia para criar regras e algoritmos nos últimos 12 meses e em malha logística, de olho em encontrar os parceiros corretos para fortalecer essa iniciativa.

Com os novos recursos, a ideia da empresa é tanto gerar mais recorrência para consumidores quanto melhorar a taxa de conversão da companhia. "Para quem comprava em Recife e tinha de esperar cinco dias, receber em três horas é um game-changer", diz Oliver.

A Amaro não divulga projeções de crescimento de vendas ou quanto fatura atualmente, mas abre apenas o percentual: deve aumentar de tamanho em 45% na comparação com o ano passado. Em um ano difícil para o varejo, o que o CEO revela é que o público consumidor da marca de moda (principalmente voltada às classes AB) oscilou pouco em relação às projeções.

"O terceiro trimestre foi mais fraco do que esperávamos, com certeza. Acreditamos que o ano que vem vai ser muito bom para nós, especialmente porque temos um grande volume de lojas recém-inauguradas, há muito crescimento contratado. Não sabemos ao certo, é calro, como o consumo vai se comportar, mas estamos otimistas no mix online e nas lojas físicas", diz Oliver.