• AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
  • AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
Abra sua conta no BTG

Pesquisa mapeia o perfil dos influenciadores transgêneros no Brasil

Maior parte dos influenciadores transgêneros têm até 10 mil seguidores, segundo pesquisa realizada pela Agência Mosaico, com o apoio da TransEmpregos e da Youpix. Relatório quer dar visibilidade e incentivar marcas
 (Getty Images/Vladimir Vladimirov)
(Getty Images/Vladimir Vladimirov)
Por Marina FilippePublicado em 08/07/2021 07:00 | Última atualização em 07/07/2021 18:32Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A publicidade ainda pouco retrata os LGBTI+ e as marcas têm um papel fundamental para  aumento dessa representatividade. O desafio é ainda maior quando se fala da população transgênero, e um novo estudo busca aumentar essa visibilidade ao mapear o perfil dos influenciadores trans.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor 

Segundo pesquisa realizada pela Agência Mosaico, com o apoio da TransEmpregos e da Youpix, a maioria dos criadores de conteúdo transgêneros do Brasil são considerados nano-influenciadores (74%), aqueles que possuem menos de 10 mil seguidores, e estão no Instagram (79%).

A maioria dos criadores de conteúdos trans moram em São Paulo (33%). Em seguida aparecem os moradores do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia. Dos respondentes, 45% são heterossexuais e são, em sua maioria, homens trans (41%). O mapeamento contou com a participação de mais de 180 influenciadores, concentrados nas idades entre 18 e 35 anos, que constituíram 86,8% da amostra.

“Queremos que, com essa pesquisa, as marcas comecem a perceber que o universo da sigla T é sim representativo e pode ainda contribuir muito para o marketing das marcas”, diz Yhevelin Guerin, coordenadora da pesquisa e sócia da Mosaico.

“A diversidade é uma realidade e nossos esforços serão sempre em trazer pluralidade ao marketing de influência, mas não só no mês do Orgulho LGBTQIA+, comemorado em junho”.

Veja o cenário dos influenciadores trans no Brasil:

Quem são:

  • 41,3% são compostos por homens trans
  • 39,1% de mulheres trans
  • 15,9% travestis e 13,2% não-binários.

  • 45% são heterossexuais
  • 23,8% bissexuais
  • 19% pansexuais
  • 6,9% gays.

Quantidade dos seguidores:

  • Nano Influenciadores (74,1%), personalidades que possuem menos de 10 mil seguidores
  • Micro Influenciadores (21,7 %), nomes que possuem entre 10 e 100 mil seguidores
  • Meso Influenciadores (3,7%), personalidades que possuem de 100 a 500 mil seguidores