Marketing

Nizan Guanaes defende fuga dos estigmas

Publicitário participa de Fórum do BID para o Desenvolvimento da Base da Pirâmide na América Latina e Caribe e fala do “novo consumidor”

Nizan Guanaes: "Nós somos arrogantes, omissos com a América Latina" (Rodrigo Zorzi/Contigo)

Nizan Guanaes: "Nós somos arrogantes, omissos com a América Latina" (Rodrigo Zorzi/Contigo)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de junho de 2011 às 16h48.

São Paulo - O Brasil deixou de ser o país do futuro para ser o país do presente, vaticinam muitos. E todos concordam com a ideia de que o grande trunfo é a sua demanda interna, consumidora voraz e ávida por tudo o que lhe sempre foi negado. Nas palavras de Nizan Guanaes, presidente executivo do grupo ABC, é a hora e a vez da “Dona Maria”.

Como consequência, os gargalos aparecem aos montes. “Tem o lado negativo, mas também o positivo, porque representa a entrada de novas pessoas”, analisa Fábio Barbosa, presidente do Grupo Santander, durante exposição sobre a nova classe média, no Fórum BID para o Desenvolvimento da Base da Pirâmide na América Latina e Caribe.

E a necessidade de conseguir dialogar com este “novo consumidor” é premente. No caso do Santander, o investimento foi no microcrédito, programa cujo intuito é viabilizar micro empreendimentos. O projeto já impactou mais de 250 mil pessoas.

Barbosa citou também a abertura de uma agência no Complexo do Alemão, antes da chegada da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), onde 70% dos colaborados são da comunidade.

“Tem um número de empreendedores imenso lá”. Para o início, a parceria com o José Junior, do Afroreggae, foi fundamental, argumentou. “Ouvir as bases é o segredo para tudo.” E Nizan completou: “Para uma nova demanda, uma nova teia de alianças”.

Para o publicitário, é preciso fugir dos velhos estigmas do passado. “Temos que criar coisas boas, adequadas e acessíveis. O grande problema das empresas é que elas ficam dando coisas que a gente não quer”, afirmou.

De acordo com ele, as companhias áreas, com as suas tradicionais barras de cereais, e as imobiliárias, com os playgrounds ao invés de áreas de games e maior conectividade, ilustram a falta de entendimento das mudanças atuais.

Em contrapartida, a “Dona Maria” quer coisas novas, como ir à Europa e conhecer a Disney. E o consumo consciente, tão incentivado e necessário, não encontra muito espaço nesta seara. “Na minha vez de beijar você vem dizer que tem sapinho”, brincou sobre o momento vivido pela nova classe média, arrancando gargalhadas da plateia que lotava o auditório da Fecomércio.

Nizan também chamou a atenção para a nossa arrogância frente, ou costas, à América Latina. “Nós somos arrogantes, omissos com a América Latina. Nós estamos ficando insulares com o nosso crescimento”, disse.

Para ele, o empresariado deve começar a observar a AL, como faz o BID ao desenvolver programas para a região, como o Oportunidades para a maioria, que acaba de sair da fase de projeto piloto.

Acompanhe tudo sobre:CelebridadesClasse CConsumidoresConsumoEmpresáriosGrupo ABCNizan Guanaes

Mais de Marketing

ChatGPT da Ypê: assistente virtual tira dúvidas sobre cuidados com a casa

NBA fecha acordo bilionário com ESPN, Amazon e NBC para transmissão

Outback lança hambúrguer com batata chips em parceria com a Ruffles

Como se antecipar e identificar tendências de mercado antes da concorrência?

Mais na Exame