Marcas são julgadas pelo que fazem e influência é desafiada na pandemia

Steve Levy, diretor de operações da Ipsos, antecipa o que faz as marcas estarem no ranking The Most Influential Brands

Entre as muitas coisas que a pandemia mudou, está a comunicação das marcas. Aquelas que quiseram continuar influentes se viram obrigadas a mostrar para além dos produtos, o que fazem de bem para o mundo e para as pessoas. Quem se saiu melhor neste desafio é o que mostrará o tradicional ranking The Most Influential Brands, a ser divulgado pela empresa provedora de pesquisa Ipsos, na próxima quarta-feira, 14.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor 

"Em 2020, vimos várias marcas implementando programas que ajudaram as pessoas. Ao olharmos para o período em que estamos agora, é provável que as marcas sejam julgadas mais pelo que fizeram do que pelo que disseram. Isto é válido também para aquelas que preferiram não fazer muito na sua comunicação e marketing", diz Steve Levy, diretor de operações da Ipsos em entrevista à EXAME.

De acordo com o executivo, as marcas continuam a desempenhar um papel fundamental em nossas vidas e, assim, a influência delas cresce. "Da assistência à melhoria do nosso bem-estar, as marcas estão transformando as comunidades e sociedades em que vivemos. Algumas marcas usam sua influência econômica para resolver problemas sociais e melhorar o planeta. Alguns, é claro, têm um impacto maior do que outros. Essas marcas visionárias vão muito além da venda de um produto ou serviço. Eles são baseados em um senso de propósito que estabelece conexões emocionais mais fortes com as pessoas", afirma.

No estudo da Ipsos onze atributos são usados para criar uma pontuação de influência para cada marca, cobrindo, por exemplo, questões como "faz parte da linguagem cotidiana", "muda a maneira como você compra"," "faz sua vida mais interessante”, “é muito importantes no mundo de hoje" e "é relevante para a sua vida".

A partir das respostas, foi percebido que as empresas estão encontrando um mercado cada vez mais desafiador. "É menos provável que as pessoas se importem se uma marca está no topo. Cada produto, serviço e política está sendo avaliado na hora da compra, e marcas que continuam a fornecer algum tipo de assistência continuam a construir influência", afirma Levy.

O resultado do estudo pode ser acompanhado pelos inscritos no site.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.