Anunciantes calculam prejuízos causados pelo apagão das redes do Facebook

Profissionais que trabalham com anúncios na rede social estimam perdas de até 70% nos ganhos da última segunda-feira, com pane de quase 6 horas
 (SOPA Images/Getty Images)
(SOPA Images/Getty Images)
A
Agência O GloboPublicado em 06/10/2021 às 07:42.

Por mais de seis horas na segunda-feira, enquanto o Facebook e o Instagram estavam fora do ar, David Herrmann preocupou-se com os anúncios.

Comprador freelance de mídia, ele disse que todos com quem trabalhou dependiam muito das plataformas, que absorvem a maior parte dos US$ 80 milhões a US$ 100 milhões em gastos com publicidade que ele gerencia a cada ano.

Uma empresa que anuncia exclusivamente no Facebook viu sua receita cair 70% durante a interrupção na comparação com o mesmo período da semana anterior, disse Herrmann. As vendas caíram 30% em outra empresa, que gasta US$ 40 mil por dia em anúncios.

“Eu estava mais ou menos checando o Facebook de forma consistente ao longo do dia, esperando que ele voltasse”, disse ele. “Mas sem uma orientação clara do Facebook, apenas tivemos que esperar.”

Anúncios alimentam o Facebook, que arrecada mais de 98% de sua receita com mais de 10 milhões de anunciantes ativos. Nos três meses encerrados em 30 de junho, a rede obteve uma média de US$ 78 milhões em vendas de anúncios a cada seis horas.

Mas uma enxurrada de críticas nos últimos anos fez com que muitos clientes do Facebook se irritassem com a empresa. Frances Haugen, uma ex-gerente de Projetos do Facebook que se tornou denunciante, afirmou perante senadores nesta terça-feira que a empresa estava
ciente dos danos causados ​​por seus serviços, como os efeitos negativos do Instagram em adolescentes.

O Facebook também enfrentou protestos de anunciantes sobre como lidar com discurso de ódio, desinformação, privacidade e muito mais.

Graham Mudd, vice-presidente de anúncios e marketing de produtos de negócios do Facebook, escreveu no Twitter na segunda-feira que a interrupção afetou a plataforma de anúncios da plataforma e se desculpou “pela interrupção que isso cria para nossos clientes”.

Os anunciantes observaram que o Facebook ficou fora no início do período mais importante para muitos deles, nas campanhas de férias, uma temporada que deve ser complicada neste ano por causa das dificuldades na cadeia de suprimentos e restrições geradas pela pandemia.

Muitas empresas dependem exclusivamente do Facebook para alcançar os clientes, diz Cory Dobbin, fundador da Aaron Advertising digital, que administra cerca de US$ 50 mil por dia em gastos com publicidade. A maior parte dos gastos de seus clientes vai para a rede social, enquanto o restante é dividido entre Google, Snap e outras plataformas.

“O nome do jogo para muitos anunciantes, se ainda não era, é diversificação”, disse ele. “Este é um exemplo perfeito de por que você não pode contar com um único canal para gerar toda a sua receita. É muito arriscado confiar no Facebook para ajudar seus negócios a longo prazo”.

Muitas empresas usaram a interrupção do Facebook para avaliar o desempenho de seus anúncios em plataformas concorrentes. Conforme os usuários do Facebook migraram para serviços alternativos, o Twitter postou em sua própria plataforma "Olá, literalmente a todos", obtendo mais de 3 milhões de curtidas e um emoji de rosto desorientado da conta do Instagram.

A Netflix postou um meme apresentando seu popular programa “Squid Game”, retratando o Twitter como um salvador.

Mas Herrmann, o comprador de mídia, disse que os anunciantes continuarão presos ao Facebook por causa de seu enorme tamanho e alcance.

"A plataforma pode e ainda tem implicações enormes em todo o espaço de compra de mídia, então não vai a lugar nenhum”, disse ele. “O TikTok está surgindo rapidamente, mas ninguém em grande escala o faz tão bem quanto o Facebook.”